segunda-feira, 17 de junho de 2013

As cinco pivôs da nova seleção

Proteger o garrafão brasileiro e garantir os rebotes. Essas são as principais tarefas das pivôs da Seleção Brasileira Adulta Feminina, que se prepara na cidade paulista de São Carlos para o 33º Campeonato Sul-Americano da Argentina, de 23 a 27 de julho, em Mendoza. Para cumprir essa importante missão, o técnico Luiz Augusto Zanon conta com cinco atletas: Fernanda Bibiano, Franciele do Nascimento, Fabiana Caetano, Clarissa dos Santos e Damiris Dantas.
Para a pivô Fernanda Bibiano, de 27 anos e 1,90m, o ritmo da seleção é pesado, mas a equipe já está entrando no ritmo. A atleta que defende o Ourinhos Basquete (SP) falou sobre a surpresa da convocação.
"Estou muito feliz pela convocação. Foi uma grande surpresa e sei que a responsabilidade é enorme. Assim como para outras jogadoras, essa é a minha primeira convocação para a seleção adulta. Aqui a doação e o esforço é 100%. Temos que suar a camisa pra mostrar um bom trabalho. Espero conseguir demonstrar isso e ficar com uma das vagas. Esse é um time bastante novo, mas com muita vontade de mostrar ao que veio. E já está todo mundo no ritmo do Sul-Americano", disse Fernanda.
A paranaense Franciele Nascimento nasceu em Jacarezinho e é filha única, mas com seus 25 anos e 1,88m, é pura responsabilidade. A pivô é a mais experiente do grupo em número de convocações para a seleção e garante que toda vez que lê seu nome na lista de jogadoras é uma emoção diferente.
"Apesar de ser a mais experiente em relação a seleções brasileiras, toda vez que recebo uma convocação é uma grande emoção. Sempre tenho uma grande expectativa. Estou gostando muito dos treinos e principalmente do técnico. O Zanon é muito animado e apoia muito a gente. O grupo está muito animado também, faz tempo que não via um somatório de vontade de vencer e felicidade por estar defendendo a pátria juntos. O grupo está muito bom e se seguirmos as orientações do técnico, tenho certeza que chegaremos muito longe. Uma das frases do Zanon que eu mais gosto é: Que a liberdade que ele dá pra gente, vem acompanhada da responsabilidade". analisou Franciele, que esteve em todas as seleções adultas desde 2008, quando tinha apenas 19 anos.
Companheira e tranquila essas são as características da pivô Fabiana, de 22 anos e 1,92m, que é a atleta mais alta seleção atual. Fabiana está motivada para demonstrar todo seu potencial e conquistar uma das vagas na seleção sul-americana.
"Já defendi o Brasil em inúmeras seleções de base, mas é a minha primeira equipe adulta. Estou super motivada e feliz com a convocação. Essa oportunidade que o Zanon deu pra gente é única e vamos com muita vontade atrás da concretização desse sonho. Já trabalhei com o Zanon em Americana (SP), mas com certeza o que vai valer aqui é o rendimento de cada uma", disse Fabiana.
O técnico ainda não definiu, mas Clarissa do Santos, de 25 anos e 1,84m, que joga pelo Unimed Americana (SP) é a comandante natural da equipe. Descolada e brincalhona, a pivô leva a sério sua função no garrafão brasileiro.
"Sempre tento ajudar no que eu posso as meninas, pois acredito que quando você dá, você recebe, então é uma troca. Estou fazendo o que já é natural pra mim. Gosto muito de brincar e encher o saco dos outros, acho que isso acaba aproximando as pessoas de mim. Tento equilibrar minha personalidade entre a Clarissa brincalhona e a séria, pois acho que tem hora pra tudo. Mas claro que tem os momentos que o meu lado carioca desperta e gosto de levantar o astral de todo mundo em quadra. Quando é a hora de treino, então levo muito a sério minha função e gosto de chamar na responsabilidade", comentou Clarissa.
Com 1,90m e 20 anos, é uma das mais jovens. Falante, engraçada e eterna apaixonada, a atleta da Unimed Americana (SP) Damiris do Amaral iniciou no basquete de forma bem interessante, no CFE Janeth Arcain. Com o sonho realizado no Mundial Sub-19 do Chile (2011), quando recebeu o título de MVP (jogadora mais valiosa), Damiris avaliou o garrafão brasileiro para a competição.
"Esse é um garrafão com jogadoras bem novas, mas com muita vontade de mostrar trabalho. Todas têm demonstrado a força e o desejo de vir para os treinos bem e dar o melhor sempre. Mesmo sendo uma equipe nova, todas estão com muita determinação e vontade. Tem umas mais experientes, mas são todas novas e a vontade é a mesma. Não vai ser fácil, mas tenho certeza, que vamos fazer uma belíssima apresentação no Sul-Americano", analisou Damiris.
O Campeonato Sul-Americano classificará as três primeiras colocadas para a Copa América no México, de 23 a 29 de setembro. Antes do embarque para a Argentina, o Brasil disputará seis jogos no Torneio Internacional da China contra as seleções do Canadá, Porto Rico e as anfitriãs.

14 comentários:

Anônimo disse...

Meu deus, que cabelo é esse Damiris...
Tá feio, muito feio...

Anônimo disse...

Parabéns as nossas pivôs, vocês realmente são as melhores!!! acreditem em vocês, precisam todas ter a raça da Clarissa que o nosso Brasil só vai ganhar daqui para frente. O Zanon esta certo em dar o maior apoio a vocês, chega de Ega, Érica, Nádia, Alexandra, etc... é tempo de renovar, força meninas!!!

Anônimo disse...

Bert, vc não vai postar nada sobre o Eurobasket? Hoje teve o grande vexame do dia. A favorita e poderosa Rússia foi eliminada do torneio e está fora do Mundial da Turquia no ano que vem. Isso é maravilhoso, pois é uma ameaça a menos no caminho do Brasil no Mundial.

Anônimo disse...

ESTOU TORCENDO DE CORAÇÃO PARA ESSA SELEÇÃO DE NOVAS DA CERTO, O PROBLEMA SERÁ O MESMO DAS SELEÇÕES ANTERIORES, PEGA SELEÇÃO FRACA E DÁ SHOW, BASTA UMA SELEÇÃO MAIS FORTE AÍ O BICHO PEGA, SABE PORQUE FALTA EXPERIENCIA INTERNACIONAL, MAS MESMO ASSIM BOA SORTE e ACREDITEM EM VOCES.

Henrique Baptista Silva disse...

Respeito as qualidades de todas,mas a Clarissa é a mais incrível de todas. O que mais admiro nela,é ter sido revelada em campeonatos estudantis do que em clubes como formação base. Ela é uma jogadora de fundamentos espetacular. Me emociona muito ver estes talentos que surgem fora do formato elitizado dos clubes. E a Clarissa foi o melhor dos exemplos até agora,e serve de inspiração como referência às meninas que sonham com o sucesso quando se tornarem adultas. Na geração atual,não tenho receio em admitir que sou fã de carteirinha da Clarissa.

Anônimo disse...

Concordo com o Henrique a Clarissa é espetacular, torço muito pela Fabiana Caetano que joga na posição 4 e tem boa estatura. A Fernanda Bibiano se destacou nos anos e mereceu a convocação. A Damiris a cada ano evolui mais. A Fran tb tem o seu valor.

Henrique Baptista Silva disse...

Não desanime,anônimo 17/06/13 22:28. As seleção fraca devido aos resultados foram por culpa dos técnicos,e não pelas meninas. Quem fez parte da seleção nesas últimas olimpíadas e mundiais foram ABANDONADAS em quadra pelos técnicos,precisando "se virar" pela lógica de experiências pessoais na tentativa de vencer as partidas. Se o Ênio Vecchi tivesse permanecido o resultado seria outro. E até mesmo o Paulo Bassul,se dessem mais tempo para que pudesse implementar um sitema de trabalho mais sólido;poderia ter sido um bom técnico. Ele sabe muito sobre basquete e está acostumado a lidar com times femininos,mas o maior defeito dele é ser indugente demais com quem precisa ir para o banco,não fazendo substituições quando "o momento" do jogo pede urgentemente uma atitude dele.

Diegotbr disse...

Clarissa, parece, perdeu peso.

Anônimo disse...

Clarissa é a melhor atleta brasileira da atualidade. Deveria estar na WNBA, com certeza iria brilhar muito por lá. Entretanto se ela quiser fazer carreira internacional tem que se habituar a jogar na posição 4, não que ela não dê conta de jogar na posição 5, ela é ótima, mas o mercado internacional não confiaria em contratar uma pivô 5 de 1,84m.

Henrique Baptista Silva disse...

Concordo totalmente,anônimo 20/06/13 09:27. Ela tem talento de sobra para merecer estar na WNBA. Mas acredito,que uma jogadora de fundamentos como ela,seria apenas uma questão de (pouco)tempo para se adaptar a habilidade específica que a posição de ala requira por lá. Com a vantagem saber jogar debaixo da cesta sem precisar refazer a rotação da jogada se receber passe perto da cesta. Faria dela uma ala versátil,ao invés de uma ala de força de baixa estatura.

Anônimo disse...

Para Nivel sulamericano está Ok.
Só a clarissa se destaca , pena que baixa para nivel internacional.

Anônimo disse...

Hoje a Clarissa joga como pivô 5. Lamentável a falta de visão dos treinadores!

Anônimo disse...

Com essas pivôs não vamos chegar em lugar nenhum. Só temos a Clarissa.O resto não existe.E ainda tem gente que acha que podemos abrir mão da Eriça.Só rindo kkkkkk

Henrique Baptista Silva disse...

Concordo anônimo 23/06/13 08:09. Ainda está muito cedo para abrir mão da Érika com as pivôs que temos. Mas acredito que o Zanon não tenha convocado,par incentivar as garotas a treinar forte entre si. Mas perto de alguma competição importante de fato,com certeza ele a chamará.