segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Basquete Feminino repete no Rio um filme que sua torcida não suporta mais assistir



Era 20 de junho, quando resolvi gastar meu latim com a funérea seleção feminina de basquete.

Em um exercício de futurologia, assim descrevi o confronto com o Japão durante a Olimpíada:

"Depois de uma folga, a seleção faz jogo fundamental contra o Japão no dia 08. A promessa é que se encontre um time diferente daquele do Mundial de 2014 (vitória do Brasil por 79 a 56), revigorado pelo título continental, mas com altos e baixos nos amistosos preparatórios. As duas equipes devem se encontrar em amistoso antes do torneio, o que preocupa pela previsibilidade do jogo brasileiro."

Hoje enquanto assistia o jogo, eu não consegui nem me chatear, nem lamentar, nem sentir pena. Nada. Assisti meu "pessimismo" se tornar realidade, enquanto Barbosa e suas comandadas pareciam seguros no oba-oba das duas vitórias nos amistosos em Campinas.



Até o momento em que escrevo não encontro nenhuma declaração das derrotadas.

Mas da japonesa Tokashiki não poderiam vir palavras mais sensatas e reveladoras:

"Fizemos nosso jogo. Perdemos dois (amistosos), mas agora conseguimos. Nós aprendemos com aqueles dois jogos (em Campinas) para saber o que fazer para ganhar do Brasil. Foi por causa dos amistosos que conseguimos ganhar. Sentimos as brasileiras cansadas em alguns momentos, e aproveitamos esses momentos para dar mais intensidade no jogo ."

A seleção brasileira feminina pratica um basquete jurássico, em desacerto com o que se executa no mundo inteligente e/ou moderno.

O técnico Barbosa insiste em seus equívocos. Enquanto arrota seu otimismo neurolinguístico, segue praticando uma defesa zona constante e medíocre, roda pouco seu time, carrega jogadoras para decorar o banco, não surpreende, não muda... Ai, chega!

Do lado das jogadoras, também falta muita coisa.

Essa geração carece de uma absurda falta de liderança, que as três jogadoras mais experientes não conseguiram assumir.

A armadora Adriana, do alto de sua quinta Olimpíada, nunca se celebrizou por tal característica. Embore louve em entrevistas a liberdade que o comandante lhe oferece, pouco ela tem produzido a partir disso.

Liderança também não se encontra na pivô Érika, que até o momento não conseguiu compreender sua importância na equipe. Jogo iniciado, ela grita e comete faltas como se não houvesse mais outros três períodos. Foi uma defensora horrorosa tanto da australiana Cambage, como da nossa amiga japonesa Toka.

Tecnicamente melhor resolvida, a ala Iziane também não lidera. Não se nega aqui a disposição da veterana, mas enquanto as japonesas empurravam a vaca para o brejo, a maranhense corria rumo a cesta, ignorando o bom senso, as defensoras e as suas apáticas companheiras.

Completando o time titular, entendo a insitência dos Mestres Tarallo e Barbosa em tornar Damiris uma ala, quando o plano B é Palmira. Mas é duro pela segunda Olimpíada assistir esse processo cru e constatar que seja como ala ou pivô, os movimentos ofensivos desenhados para ela são os mesmos.

No meio desse caldeirão indigesto, Clarissa tenta se impor pela força e Joice pela raça. Acredito que ao menos ambas tem algo a oferecer. Pena que o time precisaria de um pouco a mais que isso.

O basquete feminino brasileiro fez uma escolha deliberada pela derrota, pelo atraso, pela preguiça e pelo improviso. É justo que pague agora pelo escolheu.

A tarde de hoje parece não oferecer saídas...

31 comentários:

Anônimo disse...

É triste mas é isso o que escreveu o nosso colega Bert. Os amistosos contra o Japão serviram para o Japão saber como ganhar do Brasil, e o Brasil não soube aproveitar nada disso. O Brasil só está sendo massacrado nessas Olimpíadas, é bem provável que não ganhemos nenhum jogo. O Barbosa coloca as jogadoras veteraníssimas para jogar mais de 30 minutos, então o que ocorre: elas não conseguem raciocinar, nem correr atrás das bolas, e nem das adversárias, daí tome pontos das japonesas. Esse basquete arcaico de jogadoras cansadas que ficam em quadra mais de 30 minutos, dá nisso. A Palmira só chuta de três, erra e a gente fica torcendo para alguém do Brasil pegar rebote. A Nádia só sabe cometer falta. A Érika não consegue encestar no garrafão das pivôs mais baixas da Olípíadas. A Adrianinha saiu zerada da partida. E o Barbosa ao invés de aproveitar as jogadoras jovens que foram convocadas para as olimpiadas, prefere deixar elas no banco vendo as veteranas morrerem de cansaço e sendo massacradas pelas japonesas. Eu não esperava essa derrota, pensei que ganharíamos só esse jogo, mas depois desse jogo, tenho a convicção que o Brasil vai perder todos, pois agora vem a sequencia de jogos com as equipes européias, que tem jogos parelhos, com regularidade, excelente tiros de média e longa distância que vão deixar as brasileiras tontas de tanto tiros calibrados de três pontos. O Barbosa tá saindo pior que o Zanon e o Tarallo. era melhor colocar as mais novas em quadra para dar rotatividade e experiencia em quadra, pois as veteranas não estão dando conta do recado.

Anônimo disse...

Ultima olimpiada para o basquete feminino, será dificil voltarmos a essa competição nos próximos 20 anos, tempo suficiente para inicarmos um trabalho de base realmente serio e comprometido com o esporte

Anônimo disse...

O basquete feminino é um basquete de defunto que morreu e esqueceram de enterrar. O basquete que se joga aqui é de décadas passadas, no basquete moderno se ver defesa fortes e para se escapar dessa defesas fortes ataques velozes, passes e finalizações rapidas, quem tiver a oportunidade de ficar livre arremessa nem que seja em dois segundos.. O ataque do brasil é totalmente previsível, lento, concentrado. Assim fica facil bater o Brasil. Uma pena.....

um esporte tão bonito, tão plastico, tão emocionante não ser levado a sério no Brasil..Com uma liga nacional de 6 equipes somente, com um basquetebol "jurássico" fica difícil...

Anônimo disse...

Assisti perplexo a tantos erros, sem nenhuma marcação, sem jogadas, sem vontade, time apático, horrível.
Ericka precisa entender sua importância para o time, não está jogando nem marcando nem 20% do que sabe, erros tão GROTESCOS que dá vontade de quebrar a TV.
Sem palavras e sem esperança é triste ver o basquete feminino que tanto amo ser enterrado dentro de casa.

Anônimo disse...

Nossa! To chocado! 5 titulares com experiencia na W e, reunidas nao conseguem vencer o JAPAO? ( SERIO?)

Anônimo disse...

Gente, calma...o Brasil vai ganhar da Belarus, Franca e Turkia, e, o Japao vai perder de todos esses evda Australia tbm. Dai, ainda passamos em terceiro no grupo.

Anônimo disse...

Bem, Meu time seria: JOICE, IZIANE, DAMIRIS, CLARISSA E GIL.

Anônimo disse...

As vezes é melhor o silêncio. Triste com tanta incompetência. A culpa é coletiva, de um técnico ruim que nao apresenta bons trabalhos no cenário nacional há décadas. Quais bons resultados que ele entregou nos times nacionais que dirigiu? Ele gosta de matar jogadora. Como vc deixa uma jogadora veterana e que voltou de lesão tanto tempo em quadra? E pra que levar jogadora nova se na hora que precisa de pernas ele não usa????? Triste demais ver o Brasil correndo atrás da bola... Culpa de um técnico ruim, uma comissão apática que só foi pra tirar fotos e tietar outros atletas, uma Confederação cheia de indicados incompetentes... As menos culpadas sao essas meninas, as quais foram mal orientadas e estão dando a cara pra bater. RENOVACÃO de tudo: tecnico, comissão, dirigentes, fisioterapeutas e atletas veteranas.... cansei

Anônimo disse...

Antes ter levado a Debora e a Paty, pq a Adrianinha está na 5ª olimpíada mas joga como se estivesse na primeira, se a cbb tivesse dado ao Zanon oportunidades de amistosos de qualidade e colocado como técnico exclusivo da seleção. Pelo menos coragem de renovar ele teve.

Anônimo disse...

Única coisa : BARBOSA NÃO DÁ MAIS !! Ele com esse discurso de confiar em veteranas conseguiu DESTRUIR com a confiança das demais jogadoras . Tainá por exemplo e Tati Pacheco até então TITULARES em todo ciclo de renovação com experiência ganhando moral em jogos internacionais e o Barbosa vem e TIRA toda confiança que essas meninas que são o nosso futuro já tinham adquirido . Tainá NÃO É JOGADORA DE DECORAR BANCO ! Tati Pacheco tb não e agora ? Iziane aposentada praticamente , Érika pelo jeito ja era tb nosso futuro no basquete é TENEBROSO principalmente se continuarmos com um treinador ARCAICO que teima em não fazer o que TODAS AS SELEÇÕES do mundo fizeram RENOVAR .

Tassia , Joice Coelho , Fabiana Caetano , Mônica , Vitória , Kawani Firmino , Ana Beatriz , Maira e tantas outras jovens talentosas fortes e ALTAS que poderiam estar ai e não estão . O Zanon começou uma renovação com algumas peças ERRADAS FATO mais Tassia , Joice Coelho , Fabiana Caetano tinham que estar nesse time . Agora teremos que começar do ZERO denovo ! E com um técnico que pensa como o Barbosa vai ser Difícil !!

Rod Basket disse...

O que me irrita tanto quanto o jogo do Brasil é ouvir as pessoas dizerem que a Erika é uma das melhores pivos do mundo, jogadora que nunca vi fazer diferença em um jogo da seleçao sempre errando as mesmas bolas embaixo da cesta, se enchendo de faltas no inicio de jogo, facilmente batida na marcaçao, hj uma das poucas pivos q nao mata arremessos de media longa distancia( pivozona japonesa pagava literalmente pra ela torcendo pra chutar)enfim cheia de deficiencias tecnicas e sou obrigado a continuar ouvindo essas lorotas e as vezes de quem entende de basquete o que é pior!!!

Anônimo disse...

Pior são os comentários na TV...
"Passar en quarto não importa..o importante é passarmos de fase"
Serio isso?.. Passar em quarto e pegar os E.U.A. ...Sinto Muito Melhor Bem passar de fase..

Felipe Mascarenhas disse...

O time não tem uma jogada no 5 contra 5, é assustador! Concordo com o texto todo, perfeito, e é duro constatar a falta de inteligência emocional das jogadoras brasileiras, sobretudo das mais experientes. Desde o início da carreira até hoje, Érika não conseguiu evoluir na questão das faltas (parece uma juvenil) e nem na marcação. Seja contra Griner na WNBA, Cambage nas Olimpíadas, o resultado é desastroso! Quanto ao Barbosa, o mesmo de sempre: sem rotação, sem marcação, sem qualquer novidade! Nós é que somos masoquistas de continuar acompanhando o basquete feminino.

Anônimo disse...

Meu deus, no mundial da Turquia, o time com o zanon e as meninas que ele queria fazer a renovação ganharam do Japão de quase 20 pts.
Acho agora que ele tinha ração..
Essas velhas não querem nada,

Carlos Edu disse...

Lamentável!

Antes das Olimpíadas minha expectativa era: Iziane pontuando próximo as 20 pontos/jogo, Érika, Damires e Clarrisa na casa dos 2 dígitos e o resto do time com seus 4 a 6 pontos/jogo.
#sóquenão

Somente IZIANE e CLARISSA estão "entrando em quadra" (se ñ fossem as 2 seria surra). O pior q nem defender as meninas estão conseguindo.

Damires na posição 3, está um desastre. Damires não marca NINGUÉM. Érika e Nádia ñ estão jogando NADA! Antes Kelly, mesmo com toda lentidão.

pelo q assistir até agora, a melhor formação para o Brasil deve ser:

Joice, Palmira, Iziane, Clarissa e Damires (de pivô 5).]

Parece q o time fica mais rápido e marcando melhor.

Joice pelo menos defende, Palmira jogando aberta pra tentar os 3 pontos.

Anônimo disse...

Olimpíada é lugar para quem se preparou por um longo tempo ( no mínimo 2 anos) . Olimpíada não é lugar para romantismo ( " vamos lá meninas vocês vão superar todo descaso com a garra e a força de vontade" ) . Pra mim isso se chama amadorismo e olimpíada não há lugar para amadorismo. E para alguns por favor, parem de puxar o saco do Barbosa.

Anônimo disse...

Erika, pode sacar a viola seu tempo de seleção já deu. Bjs

Anônimo disse...

O anônimo das 4:27 está de brincadeira.O Barbosa é responsável direto por ter insistido em levar suas protegidas.Não tenta a Tainá e nem a Tatiana.A Ramona entra só quando o jogo está perdido.A Joice já provou que não dá para jogar.A Palmira já tinha feito uma péssima LigaDo time titular só dá para acreditar da Clarissa,Damiris e Iziane.Cortou a Jaqueline e a Gil que poderiam ajudar na pontuação muito mais que Kelli Joice e Palmira.O castigo chega rápido .

Anônimo disse...

ESSA SELEÇÃO É HORROROSA. ERIKA NUNCA ENTENDEU E JAMAIS ENTENDERÁ O QUE É JOGAR NA SELEÇÃO. NUNCA FEZ NADA. E ACREDITO QUE SUA PASSAGEM PELA SELEÇÃO JÁ DEU. ELA NÃO TEM MAIS O QUE OFERECER. INFELIZMENTE. TANTO CAMBAGE COMO A JAPONESA, DEITARAM E ROLAM EM CIMA DELA, ELA É LENTA, DEVAGAR, NÃO TEM VISAO DE JOGO, NAO SABE CHUTAR BOLA LIVRE DA CABEÇA DO GARRAFAO, E BIZARRAMENTE ONTEM, DEU AIR BALL EMBAIXO DA CESTA. TER UM TIME LIMITADO, UM PRAPAÇÃO SOFRÍVEL E UMA CBB AOS CACOS, TUDO BEM, JA NOS ACOSTUMAMOS, MAS A APATIA DESSAS MENINAS É VEXATÓRIA. QUE VERGONHA EU TENHO DE VCS. VCS SIM DEVERIAM OUVIR O QUE FALARAM PRA RAFAELA SILVA HÁ 4 ANOS ATRAS, VCS SAO UMA VERGONHA PRO SEUS PAIS E PAÍS. QUEM SABE ASSIM NÃO CRIAM VERGONHA NESSAS SUAS CARAS E HONREM A CAMISA QUE VESTEM. ENTREM EM QUADRA COM VONTADE, MESMO QUE PERCA, MAS COM LUTA. EU TENHO VERGONHA DE TER NASCIDO NO MESMO PAÍS QUE VCS!!!! E SE POR MILAGRE VCS PASSAREM PRA PROXIMA FASE, VAI SER A MAIOR HUMILHAÇÃO DAS DE TODOS OS TEMPOS (SE É QUE ISSO AINDA EXISTE - DEPOIS DE ONTEM) VE-LAS JOGAR COM AS AMERICANAS EM CASA. ENTÃO É BOM QUE SAIAM FORA DE UMA VEZ, BANDO DE JOGADORAS DE CLUBES!! PARABENS AO VOLEI, AO HAND, AO JUDO, PQ O BASQUETE FEMININO DEPOIS DE HORTECIA, PAULA E JANETE, NO BRASIL, NUNCA MAIS EXISTIU...

Anônimo disse...

Belo texto, você conseguiu expor a dor e decepção de todos nós torcedores e admiradores do basquete. Infelizmente estamos sendo obrigados a ver que todas previsões estão se cumprindo. Não existe mais basquete no Brasil, e para voltarmos e sermos respeitados devemos voltar a investir nas base com fundamentos e técnicas. Pois nosso basquete está amador demais. O basquete no Brasil esta de LUTO!

Anônimo disse...

Não vamos ofender as jogadoras, concordo que foi um jogo ruim, mas elas são as que menos tem culpa, a preparação foi péssima. Falando em renovação a Lisdeive fez um bom trabalho no Maranhão, e o técnico de São José está conseguindo bons resultados no Campeonato Paulista.

Roge Brigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

O BRASIL está com a cara do técnico. PAROU NO TEMPO.
RENOCÃO TOTAL
FORA: BARBOSA, ADRIANA SANTOS, VITA

Anônimo disse...

JOGADORA DE SELEÇÃO
- Ter postura profissional;
- Assistir aos jogos dos adversários e não os do masculino. (Ou ela acha que vai jogar contra os homens?)
- Foco no torneio - atleta não deve ficar natendo boca com fã no Facebook (Precisava avisar isso)
- Selfie olímpico - Muita Selfie e pouco foco. É uma disputa de quem tira mais fotos com outros atletas? Se for pra assistir melhor ficar na arquibancada.
- Soma-se tudo ao técnico.... ixiiii melhor renovar tudo e ensinar as atletas desde a base, pois as atuais já estão perdidas... sem conserto.

Anônimo disse...

e a tati que foi so pra tomar lugar de da paty.......não acredito n isso

Anônimo disse...

Não sei pq tem gente falando para colocar a Tatty, será que vcs não observaram que ela nem compareceu lá nos dois jogos. Daí vem uma comissão ridícula nos falar que a Tatty esta com estafa física, tá de brincadeira né. Em plena Olímpiada e a jogadora fica descansando, manda embora pra casa. Já deveriam ter cortado ela e levado a Patty. Será que não tem uma psicologa competente nesta comissão. Gente acorda o que a Tatty tem não é físico é emocional, igual a todas jogadoras. Estão com a moral baixa, precisam de ajuda. Gente por favor parem de pedir para colocar a Tatty por ela precisa descansar kkkk, ela veio aqui pra descansar. Sinceramente nunca vi isso, tira a vaga de outra jogadora e na hora do vamos ver amarelou.

Anônimo disse...

Perfeito texto Bert, parabens!!! Ate quando essas jogadoras vao aceitar passar vergonha em todas as competiçoes sem tomar nenhuma atitude?? Eu não vou falar de Carlos Nunes e Vanderlei pq nem precisa. Barbosa sempre hipócrita falou que a equipe estava pronta. Qual equipe esta pronta para Uma Olimpiadas fazendo 3 amistosos antes? Enfim, hipocresia a parte, tb não vou gastar meu tempo falando de um tecnico arcaico, politico e hipocrita. Adriana Santos, me desculpe Mas vc é oportunista e incompetente. Se realmente fosse amiga das atletas não aceitaria a funcao pq sabia quw ia see esse vexame, Aliás todos now sabiamos!! É dificil falar isso, Mas toda equipe merece passar esse vexame, pois tiveram oportunidade de mudar e não o fizeram. Olimpiadas não adianta acreditar, torcer etc, tem quw ter preparaçao seria, trabalho sério e muita competencia. Lamentável!!

Anônimo disse...

Cadê a Tatiana Pacheco???? O que estão abafando???? Tem coisa errada aí

Anônimo disse...

Cadê a Tatiana Pacheco???? O que estão abafando???? Tem coisa errada aí

Anônimo disse...

Gente, acho que quem deve vir a publico e explicar cadê a Tatty Pacheco, e o pq ela não apareceu até agora é a Comissão técnica que esta escondendo a verdade. Mas já ouvi em varios grupos que acompanham, que rolou uma festinha na sexta feira, como elas não foram para o Maracanã pois tinham jogo sábado fizeram a festinha lá mesmo. Detalhe não foram todas só para deixar bem claro aqui. Por isso acho que realmente fica claro o sumiço da Tatty foi punida. E se não foi isso peço que esse blog tão respeitado apure para nós seus seguidores essa história e tb que se essas conversar que estão rolando por não forem verdade que se esclareça de vez.

Anônimo disse...

O basquete feminino necessita de uma renovação URGENTE, acompanho o Paulista e vejo equipes com meninas de 18 á 20 anos se destacando e vencendo equipes "experientes". Divino Jundiaí lidera o paulista feminino com a equipe mais nova do campeonato, Tarallo vem fazendo um ótimo trabalho com o clube além de ter sido o único técnico a subir no pódio em um mundial.
Deveríamos tomar como exemplo o trabalho que está sendo realizado durante todos esses anos com essas atletas e darmos chances para novos técnicos, dirigentes e meninas na seleção adulta visando um resultado melhor nas próximas competições. PRECISAMOS DE UMA RENOVAÇÃO.