quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Com último corte, Zanon define as doze atletas que defenderão o Brasil no Mundial da Turquia



São José dos Campos, SP - Adrianinha Moisés, Débora Costa e Tainá Paixão (armadoras); Tatiane Pacheco, Joice Coelho, Isabela Ramona, Jaqueline e Patrícia Teixeira (alas); Damiris Dantas, Érika de Souza, Clarissa Santos, Nádia Colhado (pivôs). Essas são as 12 jogadoras escolhidas pelo treinador Luiz Augusto Zanon para defender o Brasil no 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro. 

A definição ocorreu logo após o jogo-treino da tarde desta terça-feira (dia 16) no ginásio do ADC General Motors (Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama), em São José dos Campos (SP). Das 13 jogadoras que ainda estavam treinando com a equipe nacional, Zanon decidiu pela liberação da pivô Fabiana Caetano.

"Foi uma decisão muito difícil, primeiro porque a Fabiana cresceu muito desde que iniciou o trabalho com a gente. Tem um potencial de futuro muito grande, mas tivemos um fortalecimento no setor das pivôs que obrigou que tomássemos a decisão de viajar com cinco pivôs ou cinco alas. Vamos a partir desse momento tentar montar a melhor situação possível para esse time para que essas pivôs recém-chegadas se encaixem e definir as opções táticas", contou Zanon.

"Com o setor de pivôs fortalecido, vamos manter o jogo rápido de transição e defesa forte e junto com isso vamos analisar o comportamento dessas pivôs que chegaram agora. Estamos trabalhando para tirar o máximo desse jovem grupo", completou o técnico.

Na tarde desta terça-feira, a equipe nacional enfrentou o time Sub-18 masculino de São José dos Campos no ginásio da GM. O jogo-treino finalizou com o placar empatado em 81 a 81 (38 a 38 no primeiro tempo). A partida serviu como avaliação para o treinador realizar os últimos acertos antes do embarque para a Turquia no próximo sábado (20).

"Foi uma ótima partida. Acho que a intensidade poderia ter sido um pouco mais forte, mas ainda faz parte do processo de treinamento. Tivemos a oportunidade de ver as meninas executando arremessos e saindo bem das jogadas com definição, além de uma defesa bem postada contra os meninos que fisicamente são mais fortes. Ainda tivemos alguns erros de finalização e execução de jogada na hora certa", avaliou o treinador.

Zanon garante que viaja confiante com o trabalho realizado até o momento com a equipe verde-amarela. "Queremos o máximo que pode ser surpreender ou sentirem o nervosismo e o peso da competição e não ir longe no Mundial. Nosso objetivo é disputar o maior número de jogos, que pode ser seis ou sete e que poderão resultar de primeiro ao quinto lugares", comentou Zanon. 

Já a pivô Érika de Souza, campeã da WNBA com os Los Angeles Sparks, em 2002, falou sobre a expectativa para a disputa de seu sexto Campeonato Mundial, o quarto adulto. A brasileira que defende o Atlanta Dream desde 2008, destacou ainda que dará o máximo para ajudar o Brasil a conquistar uma boa classificação.

"A expectativa é a mais positiva possível. Eu e as meninas vamos lutar com unhas e dentes e muita garra pelos resultados positivos. Queremos voltar com uma medalha no peito e mostrar que o basquete brasileiro não vive apenas de lembranças. Estamos fazendo um trabalho de renovação e renascimento. Quero contribuir dando o meu máximo dentro de quadra para mostrarmos porque estamos no Mundial", afirmou a pivô, que há 12 anos atua na WNBA. 

O Brasil está no grupo “A” do Mundial, com sede em Ancara, e terá como adversários na primeira fase: a República Tcheca (27), Espanha (28) e Japão (30). Nas oitavas de final, o Brasil poderá enfrentar um dos quatro primeiros colocados na chave “B”: Canadá, França, Moçambique ou Turquia. O grupo “C” é formado por Austrália, Cuba, Bielorrússia e Coréia. E no “D” estão Angola, China, Estados Unidos (atual campeão olímpico e mundial) e Sérvia.

BRASIL (15 + 23 + 28 + 15 = 81)
SÃO JOSÉ (23 + 15 + 18 + 15 = 81)

Confira fotos do treino realizado na última semana em São José dos Campos SELEÇÃO ADULTA FEMININA. Crédito: Wagner Carmo/InovaFoto

Seleção Brasileira Adulta Feminina
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – Naturalidade

Adriana Moisés Pinto – Armadora – 35 anos – 1,65m – América Basquete Recife (PE) – SP
Clarissa Cristina dos Santos – Pivô – 26 anos – 1,82m – ADCF Unimed Americana (SP) – RJ
Damiris Dantas do Amaral – Ala/Pivô – 21 anos – 1,93m – Minnesota Lynx (EUA) – SP
Débora Fernandes da Costa – Armadora – 23 anos – 1,64m – São José Desportivo (SP) – SP
Érika Cristina de Souza – Pivô – 32 anos – 1,96m – Atlanta Dream (EUA) – RJ
Isabela Ramona Lyra Macedo – Ala – 20 anos – 1,79m – São José Desportivo (SP) – BA
Jaqueline de Paula Silvestre – Ala – 28 anos – 1,78m – Basketball Santo André (SP) – SP
Joice dos Santos Coelho – Ala – 21 anos – 1,81m – São José Desportivo (SP) – RJ
Nádia Gomes Colhado – Pivô – 25 anos – 1,94m – Atlanta Dream (EUA) – PR
Patrícia Teixeira Ribeiro – Ala – 23 anos – 1,75m – São José Desportivo (SP) – SP
Tainá Mayara da Paixão – Armadora – 22 anos – 1,71m – América Basquete Recife (PE) – SP
Tatiane Pacheco Nascimento – Ala – 23 anos – 1,80m – América Basquete Recife (PE) – SP
Média de Idade: 25 anos / Média de Altura: 1,80m

Comissão Técnica

Administrador: Bruno Gomes de Valentin
Técnico: Luiz Augusto Zanon
Assistente Técnico: Cristiano Cedra
Preparador Físico: Clóvis Roberto Rossi Haddad
Auxiliar de Preparação Física: Rafael Julio Fachina
Médico: Dr. Jorge Luiz Fernandes Oliva Junior
Fisioterapeutas: Milena Perroni e Paula Hensel
Massagista: Jailma Rocha Neves
Nutricionista: Mirtes Stancanelli

Programação dos Treinos
Local: Ginásio do ADC General Motors
Endereço: Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama - São José dos Campos (SP)

Quarta-feira (dia 17 de setembro)
09h00 - Academia
10h00/12h00 - Treino
17h30/19h30 - Treino

Quinta-feira (dia 18 de setembro)
08h30 - Treino Físico
09h00/11h00 - Treino

Sexta-feira (dia 19 de setembro)
Folga

Sábado (dia 20 de setembro)
O embarque para a Turquia está marcado para às 16h45 de Brasília, no voo da Lufthansa (LH 505), no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Fonte: CBB

25 comentários:

Anônimo disse...

Vai morrer abraçado com as 12!!!
Não passa nem da fase de grupos!!!
Levar Ramona e Joyce com 20, 21 anos respectivamente e dispensar a Fabi que é alta e mais velha!
Quero ver essas anãs armadoras e laterais jogando contra as gringas! Vai ser vergonhoso! Agora q o basq. feminino se afunda de vez!
Claro que a Fabi é pivo e elas são laterais! Mas eu arriscaria colocar a Damiris de 3 e levar a Fabi! Triste basquete brasileiro!!!!

Anônimo disse...

Totalmente sem noção o anonimo das 10:07. Deixar a Ramona ou a joice pra levar a Fabi? com certeza ele é fã da Fabi, que acho é uma grande jogadora, mas altura nao é tudo, alem do mais de pivôs já temos 5.

Anônimo disse...

Não sou fã do Zanon, mas acho que ele agiu corretamente no último corte, pois tendo quatro alas inexperientes (Jaqueline, Patty, Tati e Joice) e quatro pivôs rodadas (Erika, Clarissa, Damiris e Nádia) obviamente que é mais útil ter uma quinta ala (Ramona), do que uma quinta pivô (Fabi) no time.

Anônimo disse...

Meu essa seleção vai passar vergonha. Lamentável situação do Brasil. Brasil precisa de estrelas novamente e não um projeto com atletas mais novas. Essa Patty não joga bem contra times mais fortes ela é leoa de treino, jogos contra Espanha, Argentina entre outros ela some assim como a bactéria que só é vista com telescópio e olhe lá.
Fala sério time sem vergonha.
Sta.L

Anônimo disse...

entre as que estavam ali o corte foi correto.....o que não concordo é com quase metade do time que ali está.....existem jogadoras em atividade atualmente no brasil muito melhores......uma pena......

Hnerique Baptista Silva disse...

Concordo que a Ramona é melhor do que a Fabi,mas a Fabi seria mais útil contra times de maior estatura. Considerando que a Clarissa é uma pivô indispensável porque é mais do que perfeita,mas é uma jogadora baixa que levaria desvantagem numjogo pressionado de marcação individual. Se a marcadora dela no ataque fôr uma jogadora de "fundamento",que saiba proteger bem a bola,mantendo-a sempre do lado do outro cotovelo. A única pivô brasileira que teve habilidade e inteligência coordenadas para enfrentar adversárias gigantes tais como a grande Semenova,foi a Martha Sobral. Sou mais do que fã da Clarissa,mas ela não é a Martha. E em técnica,a Martha foi melhor ainda do que todas as pivôs respeitadas atualmente(aposentadas ou na ativa),assim como antes dela,a Marlene José Bento(quem descobriu a Hortência quando era criança e a incentivou a jogar). A Martha Sobral foi a melhor pivô brasileira de todos os tempos. Com certeza ! E acho que o nome dela deveria ser mais lembrado e reconhecido por todos.

Anônimo disse...

KKKKK! é cada comentário sem noção! " o time precisa de estrelas" se o Brasil tivesse essas estrelas com certeza o Zanon Levaria.

Anônimo disse...

Uma ajuda para o Zanon depois de ser derrotado e nem passar pela primeira fase. Uma pena que algumas dessas jogadoras tão talentosas tenham que passar por essa vergonha com o Brasil. Vai ai uma dica.
ARMADORAS: ADRIANINHA, BABI,
LATERAIS; KARLA COSTA, PALMIRA, MARIANA CAMARGO, IZIANI, ARIADNA QUE JÁ É NATURALIZADA BRASILEIRA
PIVÔS: ÉRIKA, NADIA, DAMIRIS, CLARISSA E EGA. ISSO SIM QUE É SELEÇÃO

Anônimo disse...

Acho que duas armadoras era suficiente, seria melhor cortar Débora e levar a Fabi

Anônimo disse...

A Iziane juntamente com a Ramona, Joice e Jaqueline seria uma boa.

Paulo Roberto disse...

Cada um tem uma opinião, mas o técnico está trabalhando com esse grupo de atletas a um ano e meio, então os torcedores que tem acompanhado a seleção já sabiam que a lista final seria essa mesmo.

Ficar criticando as atletas que irão representar o Brasil no Mundial, pedir por atletas que estão no final da carreira ou contundidas também pode, mas é pura perda de tempo.

O que assusta um pouco é ver o número de jogos e torneios que os nossos adversários estão disputando, enquanto na fase mais importante de preparação a seleção brasileira segue apenas treinando.

Seria muito importante que a seleção brasileira, agora com elenco completo disputasse de três a cinco jogos contra outras seleções para melhorar o ritmo de jogo da Adrianinha, aumentar a confiança das meninas mais novas e entrosar as pivôs que chegaram da WNBA com o restante do elenco.

Parece que isso não vai rolar, mas enfim, esse grupo tem potencial, inclusive as alas e pode surpreender a todos na Turquia.

Vamos torcer!!!!

Anônimo disse...

Torcer?
Apostamos tanto neste Brasil e em quase todas as modalidades o resultado é o mesmo.
Torcemos tanto para o futebol e olha o que deu. Mas pelo menos o futebol formou uma seleção, agora o basquete feminino não está com uma seleção completa pois na minha opinião e de alguns fãs de basquete a Patty, Tati, Joice, Taina, Jaqueline e Ramona não são atletas de nível de seleção Brasileira, sinto muito gostaria de torcer pelo Brasil mas nessas horas que não tenho vontade nem de ligar a tv para assistir a palhaçada que essas meninas fazem dentro de quadra. Lamento pela Érika, Nádia, Clarissa, Damiris,Débora, Adrianinha. Pois em Jogos anteriores pela seleção essas meninas acima citadas jogaram bem em apenas uma jogo e se não fosse pelo belíssimo elenco de pivôs o Brasil ficaria ainda pior em suas classificações. Então torcer? ou rezar para que dê ZEBRA?

Anônimo disse...

Quem não gosta de torcer pelo basquete feminino deveria escolher outra coisa para fazer mesmo. Vai ser feliz e pare de despejar suas frustrações em cima das meninas. Até parece que a solução é levar atletas com 37, 38 anos que quando eram mais novas ficaram em penúltimo em 2008, nono em 2010 e 2012. Melhor perder com novatas que podem aprender e evoluir, do que levar as mesmas de sempre que já estão com quase 40 anos e sempre perderam na seleção.

Anônimo disse...

Anônimo das 15:22

Recalcada atacando novamente.

Anônimo disse...

Perfeita colocação anônimo das 17:26

Anônimo disse...


ANONIMO

SÓ NÃO LEVAR A IZIANE, JÁ ESTA JUSTIFICADA A LISTA!!!!DESAGREGADORA,EGOISTA E COMPLEXO DE ESTRELA,QUE TITULO GANHOU ATÉ HOJE!!!!

Anônimo disse...

Gente deixa a Iziane quieta, nem que o Zanon quisesse convocar ela, não teria como porque ela tá machucada.

Anônimo disse...

Bert, por favor, não corre apenas comentários mal educados, corte o comentários dos filósofos também.......kkkkkk....chega a deprimir.

Schineider Oliveira disse...

O melhor.de.tudo.foi.ler.o comentario.sobre a Marta.Sobral....tbm, na minha opiniao.a.melhor pivo brasileira...pouco lembrada..mas tao importante pro basquete feminino como.Paula, Hortencia e Janeth!

Anônimo disse...

Que evolução o Brasil está tendo? Nem os clubes Brasileiros formam talento. Acho que o anonimo das 15:22 não é recalcada e sim alguém que gostaria de estar no grupo. Mas em algumas partes o anonimo tem razão.
Quero ver se esse projeto de renovação vai se manter em 2016 nas Olimpíadas quero ver a hora que o calo apertar se a CBB e Zanon estarão com pulso firme para manter essa suposta renovação.

Anônimo disse...

Gente onde vc vê falando de seleção a Tainá esta na boca do povo infelizmente, mas tenho que concordar que ainda não está na hora dela ficar em uma seleção adulta e nem a Deborinha pois ainda deveria ser a chance das armadoras Nathalia que está destruindo como antigamente e Babi que me lembra Paula onde jogava para o seu time e não para tentar ser estrela. Que saudade do Barbosa como técnico pois ele sim montou seleções de peso pesado .

Anônimo disse...

Alguns comentários acima chegam ser cômicos... Vamos relembrar alguns fatos.
1º - Para Hortência ter a fama, assim como Paula, Janeth entre outras, alguém confio no potencial delas, e deu oportunidade para que brilhassem.
2º As armadoras.... Vamos lembrar que Natalia e Babi tiveram oportunidades de serem convocadas para Seleção, porem, não se destacaram!!
3º O Basquete Feminino não tem 1% do investimento que o Masculino tem, e mesmo assim, tem se classificado para todos os campeonatos com todos os méritos (mesmo contra a torcida de uns e outros).
Gente, vamos parar de colocar defeito na comissão e nas jogadoras, e sim, vamos torcer para que a Seleção brilhe.

Anônimo disse...

A Fabi não participava dos jogos nem no Sul Américano que o nível é subterrâneo de tão baixo, levar pro Mundial pra quê.

Célio

Anônimo disse...

Também acho alguns comentários cômicos: o primeiro acha que Damiris, com 1,92m, que treinou a vida inteira na posição 4 e 5 e por isso não tem nenhuma habilidade de drible + controle de bola pode jogar na posição 3 (será que é o Tarallo?). Os que acham que Fabi, que nem no Sul-Americano jogou bem vai fazer falta no Mundial. A amiga da Débora, que acha que ela é melhor que a Tainá. Olha, nada contra a Débora e nem a favor da Tainá, mas a Débora ainda não fez nenhuma partida que pudesse ser considerada mais ou menos desde que está na seleção e olha que já faz tempo que ela está lá. Já a Tainá ao lado da Clarissa foi a que melhor jogou no sulamericano e amistosos internacionais. Não é minha opinião são os números, estatísticas, boxscore, conhecem isso? Além de ter sido eleita a revelação da última LBF. Enfim, comentários sem fundamento algum. Os que dizem que "Natália voltou a destruir" por causa de um jogo do paulista, os que pedem Mariana Camargo e até Ariadna, que pelo que eu saiba já jogou pela seleção de Cuba + os que comparam Babi com Paula devem ser humoristas profissionais ou não tem qualquer noção da realidade.

Anônimo disse...

Anônimo da 14:53

Perfeita colocação!!!!