quarta-feira, 4 de junho de 2014

Com show de Erika, Atlanta Dream vence mais uma na WNBA.


Jogando em casa, o Atlanta Dream venceu o Los Angeles Sparks por 93 x 85, na noite de ontem, pela sétima rodada da WNBA, em partida fantástica de Erika.

O jogo marcou a estreia da armadora francesa Celine Dumerc com a camisa do Dream. Recém chegada aos Estados Unidos, ela teve uma atuação discreta e não pontuou. Para integrar seu novo reforço, a comissão técnica de Atlanta teve que dispensar mais uma atleta e optou pela ucraniana Inga Orekhova. Nádia (que marcou seus dois primeiros pontos na WNBA na rodada de domingo) segue no elenco.

No jogo de ontem, estavam em quadra a MVP da temporada passada (Candace Parker), a cestinha da temporada regular de 2013 (Angel McCoughtry), três atletas que já foram eleitas MVP em campeonato europeu de seleções (Dumerc, Sandrine Gruda e Sancho Lyttle), mas ninguém brilhou mais que Erika, cestinha do jogo com 27 pontos (seu recorde da carreira na WNBA), 11 rebotes e 2 tocos.

Para quem questionou o fato da brasileira ser indicada como uma das cinco melhores pivôs do mundo no ano passado, melhor aceitar e se acostumar, pois na temporada atual, ela é a melhor pivô 5 da competição, deixando para trás nomes badalados como Tina Charles e Brittney Griner.

Nesta temporada, Erika está sendo treinada por Michael Cooper, com quem já foi campeã em 2002 defendendo o Los Angeles Sparks, em sua estreia na WNBA. O retorno da parceria está dando muito certo. Erika está fazendo a melhor temporada de seus oito anos de carreira na liga, com médias de 18,3 pontos, 9,7 rebotes e 32,7 em eficiência (terceira melhor média da competição).

Só a título de curiosidade: O desempenho individual de Erika na atual temporada WNBA, é bem superior ao alcançado na última edição da LBF. Na posição de pivô, ela precisa ter jogadas bem treinadas e preparadas para que a bola chegue ao garrafão com qualidade, o que nem sempre acontece no Brasil. 

Não sabemos ainda quando a seleção feminina estará completa, não sabemos quanto tempo o time terá para se entrosar e trabalhar suas principais jogadas de ataque e sistemas de defesa, mas parece claro que o caminho a seguir é preparar o time para municiar Erika, nossa melhor jogadora em nível internacional.

O fato do técnico Zanon estar a mais de um ano no comando da seleção feminina e ainda não ter realizado nenhum jogo contando com nossa melhor jogadora é preocupante, mas a ótima temporada de Erika em Atlanta, a boa estreia de Damiris no Minnesota Lynx, Adrianinha sendo eleita MVP do Sul-Americano de Clubes, Clarissa sendo a jogadora mais eficiente da última edição da LBF (que contou com dez atletas com passagens pela WNBA) são fatores que trazem otimismo em relação à participação da seleção brasileira no Mundial da Turquia em setembro.

Essa semana, o site da WNBA abriu votação para eleger as cinco melhores jogadoras de cada conferência para o All Star Game. Erika participou  duas vezes do "Jogo das Estrelas", atuando como reserva através da convocação dos treinadores, mas esse ano, as chances dela vencer a eleição popular que define as cinco jogadoras iniciais de cada conferência são grandes. Eu já votei nela, não apenas por ser brasileira, mas porque realmente Erika é a melhor pivô da conferência leste. Se você quiser votar também, acesse: All Star Game 2014

36 comentários:

Anônimo disse...

então isso veio confirma que a Erika realmente estava de férias no Brasil kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Paulo Roberto disse...

Anônimo, pelo menos nos jogos não parecia não. Ela sempre estava lá brigando por cada lance, chamando a equipe e a torcida para o jogo, as bolas que chegavam um pouco "quadradas" no garrafão. É muito raro um técnico brasileiro que consiga treinar boas jogadas com seus pivôs. Não sai nem um pick and roll básico. Arremessar de três é mais fácil.

Anônimo disse...

Não sabe nada inocente ela veio de férias sim quem sabe jogar põe a bola na mão e vai pra cesta e ela ainda estava com a melhor armadora do Brasil não tem Desculpas

Anônimo disse...

A Erika não é nem a melhor pivô do Brasil, muito menos do mundo. A Kelly, por exemplo, tem uma técnica bem mais apurada que ela, um maior número de variações de jogadas, mais qualidade. Erika é só força, muitas vezes TANTA FORÇA, que quase quebra a tabela. No confronto direto na última LBF, Kelly foi melhor que Érika em todos os fundamentos: 6.ª em pontos, 1.ª em rebotes e 4.ª em eficiência. Enquanto "a melhor pivô do mundo" foi apenas a 12.ª cestinha, 5.ª em rebotes e 7.ª em eficiência. A diferença é que Erika é superestimada, enquanto Kelly é um dos muitos casos de atletas brasileiras que foram prejudicadas por serem subaproveitadas na seleção feminina.

Anônimo disse...

Chega a ser um insulto dizer que Erika é a melhor pivô 5 do mundo.

É até engraçado, como se não bastasse o pessoal do blog achar que tem o direito de definir quem serve ou não para estar na seleção brasileira, quem os clubes devem ou não contratar, agora se acham no direito de eleger quem são as melhores jogadoras do mundo.

Desde quando um blog brasileiro tem relevância suficiente para fazer esse tipo de eleição?

Que eu saiba nem a FIBA e nem a WNBA colocaram a Érika nesse posto, então qual seria a fonte para tal afirmação? A CBB ou a LBF?

Cada uma!

Anônimo disse...

Então tá gente, vou fingir que acredito que a Erika é melhor que as pivôs da seleção dos Estados Unidos (Sylvia Fowles, Tina Charles, Britney Griner, Candace Parker) e que as pivôs da Austrália (Lauren Jackson e Liz Cambage).

Achei que aqui fosse um blog de basquete, não sabia que tinha virado um blog de humor. Blogueiro não é autoridade no assunto, esse aí no caso, é apenas um deslumbrado que nem escrever direito sabe.

Paty Monteiro disse...

Gente,

1o: Erika é pivô 5. A posição onde a jogadora mais "depende" do time para jogar.

2o: Erika NUNCA foi, não é, e nunca será uma Sylvia Fowles. Q pega a bola e decide sozinha, q domina todos fundamentos de um (a) pivô.

Erika faz bem o "feijão com arroz". Se está em um bom time, q lhe deem assistências ela pontua muito.
Se ela joga em um time como do Sport (ou na seleção) q jogam a bola para ela, esperando q ela se vire. O aproveitamento da Erika será de 40% pra baixo.

Não tem como comparar o Atlanta com o Sport. Quem assistiu ontem pela ESPN+, viu q quase sempre o Atlanta deixa a Erika sozinha em baixo da cesta (todos os pontos da Erika vieram de assistências).


Anônimo disse...

Perfeito os comentarios! Eu nao sei como vc bert e o balanacesta acham tanto da erika a ponto de dizerem q é a melhor do mundo!
Quem é a melhor do mundo nao erra como ela erra e principalmente quando joga no sport! Fazer cesta com assistencia sozinha na wnba ate eu!
A fabi, a kelli, a mama, a gil e a ega sao muito melhores q a erica!

Anônimo disse...

O Bonde das Recalcadas não perdoa nem a Érika...

Deus é pai!

Paulo Roberto disse...

Tô até com medo de responder, mas vamos lá:

Anônimo 3: Pivô, por definição é o jogador que está de costas para cestas para receber os passes e depois girar e arremessar, não é o tipo de jogador que cria jogadas, muito menos coloca a bola embaixo do braço e saia driblando o time inteiro.

Anônimo 4: Vai ver que a LBF tem um nível melhor que a WNBA e talvez a Kelly seja a melhor pivô do mundo, já que ela é melhor que a Erika, a terceira atleta mais eficiente da temporada americana. Bom para o Brasil rsrs

Anônimo 5: Não é uma eleição e sim uma opinião, baseada em números, histórico, etc. e se você pesquisar um pouco em sites nacionais e internacionais, vai perceber que não sou o único que tem essa opinião, mas você não é obrigado a concordar.

Anônimo 6: Desculpe se meu texto não está ao seu nível, mas se você achou engraçado, eu já fico satisfeito. Mais humor, por favor!

Patty: Concordo em partes. Em Atlanta é mais fácil jogar mesmo, porque o time tem um sistema tático muito bem treinado, a bola chega "redonda" no garrafão, mas a Erika tem seus méritos, está extremamente eficiente e fazendo ótimas jogadas. Três rodadas atrás, um lance individual dela foi eleito a melhor jogada da partida.

Enfim, acho uma pena que alguém que é tão valorizada no exterior seja tão depreciada em seu próprio país. O fato da Erika ser uma grande atleta, extremamente respeitada nos Estados Unidos e na Europa, não diminui o trabalho de ninguém. O sol nasceu para todos! Quanto maior o número de brasileiras brilhando, melhor para o basquete feminino do país, pelo menos eu acredito nisso.

Bert disse...

Ótimo texto, Paulo!

Anônimo disse...

Ok Paulo até concordo com alguns argumentos seus mas porque ela não jogou assim com a nossa melhor armadora na atualidade como o anônimo disse ???? Da pra entender ??? Não tiro os méritos dela mas acho dentro do seu país poderia ser melhor né ou atuar melhor pois a bola chegou na mão dela, e melhor ser reconhecido fora do que dentro da sua nacionalidade ????? Ex claro e Neymar e o atual melhor jogar do Brasil e na Europa ela não pode fazer o mesmo ??????

Anônimo disse...

Pelo contrário meu caro, justamente pelo nível da WNBA ser melhor que a LBF é mais fácil a Erika se destacar por lá, já que as jogadoras do time dela são tão talentosas que fazem toda a jogada e entregam a bola para ela definir livre de marcação. Aqui precisa ter técnica para criar e definir as jogadas com a marcação em cima e por isso a Kelly foi melhor que ela na LBF, por que tem mais talento mesmo, a Erika só tem altura e força.

Anônimo disse...

Então você deveria acrescentar: "na minha opinião" antes de afirmar "ela é a melhor pivô".

Sobre os sites nacionais e internacionais concordarem com você, cadê as fontes?

Outros blogs não vale!

Anônimo disse...

Acho que não há nada a dizer depois do texto do Paulo.

Anônimo disse...

É impressionante como aqui algumas pessoas só sabem denegrir a imagem das jogadoras brasileiras, vá gostar e opinar sobre outro esporte.
A Érika é sim não vou dizer a melhor mas uma das melhores do mundo na atualidade, sinto por ela ter nascido em uma geração fraca em que a seleção tenha péssimos resultados internacionais justificando o desconhecimento do público brasileiro.
Não a conheço, adoraria mas tenho certeza que ela trabalhou e trabalha duro para chegar onde chegou e permanecer onde está.
Se ela fosse tão ruim assim não estaria há. Tanto tempo na Wnba e no Atlanta, se não me engano é o sexto ano dela lá, três finais e um título com o Sparks.
Resta lamentar esses seres negativos no Blog.
E a Adrianinha não acho ela isso tudo, sempre erra quando não deve, vide o último mundial na drástica partida contra a Coréia em que ela errou e perdemos.
Torço pelo sucesso da Érika, Nádia. Que mesmo com pouco tempo de quadra cresça e ajude a seleção, pela Administração e por todo basquete brasileiro.
Célio Alves

Anônimo disse...

ótimo texto Paulo ...melhor ainda a resposta supra...educada e com fundamentação...não sei mas parece que neste blog que é especialmente sobre basquete feminino só há pessimismo e críticas desprovidas de qualquer propósito...afff

Anônimo disse...

Paulo Lima (minha opinião)
1 - Li varias vezes o texto e nao ecntrei a informaçao onde o Bert afirma que Érika é a melhor pivô do mundo. Pura falta de interpretaçao de texto. Ele cita que ela foi indicada como uma das 5 melhores pivôs do mundo no ano passado e que neste ano está sendo a melhor pivô 5 da COMPETIÇAO WNBA e nao do mundo. E realmente os numeros da competiçao WNBA até o momento apontam ela como a melhor.
2. Nada contra a kelly, que esse ano realmente fez uma LBF melhor que a Érika, até porque no ano anterior a Erika foi melhor que Kelly. No entanto na carreira de ambas as jogadoras a Kelly nao teve a média que Érika tem.
3. Chega a ser uma incoerência querer se valer dos numeros da LBF para demonstrar que kelly foi melhor que Èrika e nao querer aceitar que HOJE os numeros de Erika na WNBA mostra que ela é a melhor pivô da competiçao até agora.
O fato da Érika fazer sucesso nos EUA e na Europa e outras pivôs brasileiras nao, nao é culpa dela.

Anônimo disse...

Concordo com o Anônimo que disse que aqui é um blog de humor.
E é mesmo,principalmente graças a quem comenta.
Segundo os gênios basquetebolísticos daqui Kelly,Ega(Ai Meu Deus preciso me controlar!)e Mamá(M-A-M-Á) são melhuhuauhauhauha ores que a Érika. huahuahuahuahua
Aceitem.
Érika é a MELHOR pivô do mundo atualmente SIM querendo vcs ou não.
Ou melhor,acho que não...
PBF,Bala na Cesta e eu estamos errados.Muito errados.
Afinal, os americanos não entendem NADA de basquete mesmo para colocarem essa brasileira meia boca, pior que a Kelly,a Ega e a Mamá(uahuhauhauha) no TOP 10 da corrida pelo MVP(http://www.wnba.com/news/race_to_mvp_3_060214.html) Americanos fanfarrões. Sabem de nada inocentes.

Anônimo disse...

Erika está condenada a só jogar bem na Europa e EUA, o nível técnico dos técnicos do Brasil é sofrível.

Aguardemos o mundial.

Anônimo disse...

Discordo totalmente de quem acha que Erika só joga bem fora do Brasil, esse ano realmente ela nao fez um bom campeonato.Mas o povo que só sabem criticar esquecem de como ela jogou bem a LBF passada e só conferir as estatiscas e ver que suas médias eram melhores de que seus numeros na wnba:
LBF 2012/2013
1ª em rebotes 10.9
3ª cestinha 15.1
1ª em tocos 1.4
1ª em eficiencia 20.6
Deixa a moça jogar, se ela é reconhecida internacionalmente, nao foi esse blog ou bala na cesta que a fez ficar famosa. Vale ressaltar ainda que quem indicou ela como uma das cinco melhores do foi a propria FIBA!

Anônimo disse...

O povo nem disfarça a inveja kkkkkkkkk

Anônimo disse...

Gostar da Kelly tudo bem, agora dizer que Mamá, Ega e Fabi são melhores que a Erika força um pouco a amizade. Só faltou alguém dizer que a Isis ou a Bibiano tbm são melhores que a Erika. Duvido que alguém pense isso de verdade. Só pode ser trollagem.

Anônimo disse...

A Erika pode jogar muito mais aqui no Brasil do que
jogou na ultima Liga.Sò,que a culpa não foi dela. É sò
Por o cérebro para funcionar: o potencial dela aqui ou
na Wnba é o mesmo,então o que esta errado? O
Técnico que não sabe aproveitar o que ela tem de
melhor.Nem vou dizer como ela deveria jogar porque
o Dornelas tem obrigação de saber.O triste é que ele
não sabe.Todos nòs vamos vê-lá na seleção com o Zanom.
Sò não sei se o Dornelas vai enchergar o mesmo que
todos.

RODRIGO disse...

na minha humilde opinião ambas são maravilhosas em quadra o Brasil precisa de força total para o mundial NÃO SÓ DE UMA JOGADORA, MAS SIM DE 12 TITULARES QUE PODE MANTER O RITMO DE JOGO NO PERÍODO DE 40 MINUTOS.

TEMOS QUE LEVAR AS MELHORES SIM

ERIKA
KELLY
CLARISSA
DAMIRIS
NADIA
ADRIANINHA
TAINÁ
IZIAE
PALMIRA
JOYCE COELHO
TATIANE
CARLA COSTA

NÃO TEM OUTRO TIME MELHOR QUE ESSE NO BRASIL COM EXPERIENCIA E TÉCNICA,

LEMBRANDO OS VELHOS TEMPOS DE PAULA
HORTÊNCIA
JANETH
MARTA
LEILA
BRANCA
RUTH
ADRIANA SANTOS
HELEN
ALESSANDRA
CINTIA LUZ
CINTIA TUIU

TEMOS EXCELENTES ATLETAS VAMOS DEPENDER DE TODOS SER HUMILDES E QUERER HONRA A PÁTRIA, MOSTRAR QUE ESTA JOGANDO PELO BRASIL NÃO PELO CLUBE

Anônimo disse...

ANONIMO

Vamos resumir esta comparação interna ou externa,a Erika é melhor que a Kelly! Não se discute!!!Agora troca de time na LBF poe a Kelly no Sport e a Erika no Maranhão!!!Iriam a ver a diferença de números, o gordinho do da bola,só é o dono da bola!!!

Anônimo disse...

Meu amigo Rodrigues.Voce acertou alguns nomes mas
deixar a Jaqueline de fora é brincadeira.Melhor do ano
no campeonato paulista e cestinha da Liga não é muito
pouco não.

Anônimo disse...

Concordo contigo Rodrigo. As nossas maravilhosas jogadoras campeãs mundiais e vice olímpicas alcançaram esses prêmios depois de muitos jogos juntas , experiencia , conjunto, algumas já passavam de 30 anos.
O que esperamos é a coerência no trabalho do Zanon. Nunca tivemos a oportunidade de ter um time tão alto, é só saber aproveitar, rodar bem o banco como os americanos fazem, ou seja, doze titulares.
Quanto a Kelly e Érika são pivôs excelentes com características de jogo diferentes, a seleção precisa de ambas, pois quando estiverem jogando com determinada seleção o jogo de uma pode não servir, mas o jogo da outra sim.
Vamos torcer para o Zanon convocar para o Mundial as melhores e mais experientes.

Abraços

Rosa dos ventos

Anônimo disse...

Acho muita infantilidade ficar desmerencendo uma jogadora em detrimento de outra. Além do mais elas tem momentos bons e ruins na carreira. Temos que respeitar o Blogueiro Bert , pois afinal, é um dos poucos espaços que temos para saber notícias sobre o Basquete Feminino. Temos nossas preferências queremos ser respeitados e por isso devemos respeitar.
Parabéns, Bert pelo excelente serviço prestado ao Basquete Brasileiro por meio deste Blog. Acredito que você torça por todas as jogadoras brasileiras!!!!
Abraços

Anônimo disse...

nossa rodrigo adorei a sua seleção....é a minha....

Anônimo disse...

Também gostei muito da seleção do Rodrigo, com raras exceções nas laterais...

Anônimo disse...

Gostei da seleção do Rodrigo, apenas trocaria a Karla, que não está mais no auge (35 anos) e caiu muito de produção na última temporada. No lugar dela colocaria a Jaqueline que vem crescendo e foi a cestinha da última LBF. Palmira, além de ala, pode assumir também a função de terceira armadora do time em caso de necessidade, pois duas armadoras de ofício (Adrianinha e Tainá ) dão conta do recado.

Anônimo disse...

Muito legal saber que o Michael Cooper, ex-atleta pentacampeão da NBA pelo Lakers e técnico que treinou e levou a super pivô Lisa Lesley ao bicampeonato da WNBA com o Los Angeles Sparks (2001/2002) hoje é o treinador das nossas pivôs Erika e Nádia. Que privilégio!!!

Anônimo disse...

A seleção postada acima é muito versátil, com várias jogadoras podendo jogar em mais de uma posição.

Nossa dupla de pivôs por exemplo poderia ser formada por Clarissa(4)/Erika(5), Damiris(4)/Erika(5), Damiris(4)/Clarissa(5),
Clarissa(4)/Kelly(5),
Damiris(4)/Kelly(5), Damiris(4)/Nádia(5), Clarissa(4)/Nádia(5), Nádia(4)/Erika(5), Nádia(4)/Kelly(5).

Com esse elenco, nossa dupla de alas (ponto mais crítico da seleção brasileira) também pode ter uma ótima variação com Karla(2)/Iziane(3), Palmira(2)/Iziane(3), Iziane(2)/Tatiane(3), Iziane(2)/Joice(3), Karla(2)/Joice(3), Karla(2)/Tatiane(3), Palmira(2)/Tatiane(3), Palmira(2)/Joice(3).

Na armação, além de Adrianinha e Tainá, Karla e Palmira podem assumir a função tranquilamente. Portanto teríamos 4 opções de armadoras.

Um treinador inteligente não abria mão de um elenco tão versátil que lhe daria tantas opções táticas, a menos que ele não tenha consciência dessas opções ou não saiba como utilizá-las, mas alguém com esse perfil, não pode ser considerado um treinador inteligente.

Roberto disse...

Voltei só pra ver os comentários.
Ainda não consigo parar de rir com a história de Ega,Mamá e Fabi melhores que a Érika. kkkkkkkkkkkk
Por favor, os que questionam a brasileira assistam aos jogos do Dream na WNBA.
Especialmente para os que disseram que a pivô brasileira só faz ponto debaixo da cesta e com assistência.
Como se isso fosse ruim.
Mostra como ela tá sempre bem posicionada confirmando sua eficiência.
No jogo do Dream contra o Storm uma jogada INDIVIDUAL da Érika foi eleita a melhor da partida pela tv que transmitia. Não gostar da brasileira tudo bem,mas depreciar o trabalho dela é muito,mas muito feio.
Para gente!

Anônimo disse...

O problema e a falta de um identidade. A seleção brasileira perdeu isso. Agora amigo Karla e sim muito util a seleção, ela é muito boa pra mudar a postura da equipe e da um otimo volume de jogo, colocar ela na equipe quando a adrianinha esta no banco, e uma otima opção para dividir armação. karla e otima segunda armadora. E sobre Jaqueline, a seleção ja teria uma chutadora, a Izi no caso.