quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Santo André se estrumbica, mas não Sassarica!

(Esse texto era pra ter saído mais leve, como indicava seu título. Mas fui perdendo o humor conforme fui escrevendo.)

Alô, alô, Dona Laís!

Em fevereiro de 2011, a equipe de Santo André conquistou a primeira edição da LBF  ao vencer Ourinhos. Em quadra estavam Ariadna, Simone Lima, Êga, Paula Pacheco, Kátia, Micaela, Fabiana Guedes, Luciane e Cacá. Fora dela a técnica Lais Elena, uma das grande damas do basquete no país. O título premiava a obstinação da treinadora e seu amor ao basquete e à cidade.

Saudei a conquista com um texto (Lais novamente no topo), no qual delicadamente expunha o ponto que menos me agradava na treinadora: seu interessante decrescente pela renovação de seu time.

No ano seguinte com as mesmas Ariadna, Simone, Êga, Kátia,  Micaela e mais duas “novidades” (Nádia e Jaqueline), o time caiu nas semifinais contra Americana.

Mais um ano se passou e dessa vez Santo André caiu já nas quartas contra São José, com as mesmas Simone, Êga, Micaela, Kátia e Luciane lá de cima mais Jaqueline, Fabão, Fernanda Britto e Tatiana Conceição.

A queda de produção aparentemente não preocupou a treinadora, que optou por insistir na receita que não vem dando certo para mais uma temporada. No Campeonato Paulista em curso, a treinadora montou assim seu elenco: Fabão (34 anos), Simone Lima (34 anos), Bethânia (32 anos), Carina Felippus (34 anos), Flávia Luiza (31 anos), Fernanda Brito (28 anos), Jaqueline (27 anos),  Tatiana (31 anos) e (ufa!) Sassá (19 anos e destaque da seleção brasileira no último Mundial Sub-19).

Dessas nove, uma está sem condições de jogo (Fabão). Das oito restantes, cinco tem em média mais de 30 minutos por partida até o momento.

No seu último jogo Santo André perdeu em casa para São José (59-76) e  o choque foi grande de saber que a garota Sassá teve direito a SEIS minutos na partida.

Nesse país pródigo em inventar leis juro que deveria haver uma para impedir tamanha insensatez. Cadê o compromisso com a formação? Antes de tudo um técnico não deveria ser um professor? O que Laís pretende ensinar a Sassá? Terá ela o mesmo destino de outras atletas de Santo André que frequentavam as seleções de base (Ângela, Cacá e Dominick, para ficar em três nomes)? Que “basquete de resultados” é esse que se pratica por aqui?

Acho curioso, pois durante o Mundial Sub-19 vi muita gente espinafrando jogadoras e Janeth pela sexta colocação. Queriam o quê? Ouro para um país que trata seus jovens talentos assim?

Na partida de quartas-de-final contra a França, fiz uma experiência. Para cada francesa que pegava na bola, eu buscava seu  nome no Google. É assustadora a diferença. Elas “existem”, tem um treinador e um clube que acredita nelas e que permite que elas joguem uma liga adulta, uma EuroCopa ou EuroLiga… Aqui grande parte delas nunca passou perto de um time adulto. Se passou, ficou PHD em carregar Gatorade e abanar as colegas…

É bizarro, porque na década de 90 existia uma filosofia natural de busca de talentos e aprimoramento deles. Silvinha Luz, Helen, Adriana Santos, Claudinha, Cíntia e Alessandra jogavam com 18, 19 anos e não eram divas naquela altura do campeonato. Muitas delas vinham inclusive de uma quinta colocação em Mundial Juvenil (1993). Algumas eram titulares em seus clubes. Faziam besteira, se mostravam imaturas às vezes, acertavam em outras e assim foram sendo construídas. Mas sempre JOGANDO.

E elas olhavam do lado e viam uma Janeth, uma Marta, uma Branca, uma Vânia Hernandes, uma Ruth, uma Vânia Teixeira (todas infinitamente superiores a grande parte do que vemos hoje) e ainda assim jogavam e tinham o seu espaço.

Hoje, Sassá observa do banco trintonas fazendo besteira, se mostrando imaturas, mas deve existir uma esperança que um dia ela se construa sozinha e saia fazendo 65 pontos por jogo, pegando 32 rebotes e conquistando os títulos e as multidões.

Zanon havia anunciado a intenção de reunir os (poucos) técnicos do país e trabalhar em conjunto. Acho que a hora é agora. A seleção precisa contar com apoio dos clubes. Deve haver um compromisso de ajudar e restabelecer o bom senso por aqui.

Não pode ser normal o campeonato ter uma equipe (Catanduva) que emula a mesma filosofia de Santo André e exibe até agora a marca incrível de 39 pontos em três jogos.

Mas nada que preocupe, afinal segundo seu treinador, tudo é “fruto da ansiedade e da vontade de ganhar”!

47 comentários:

heber souza disse...

Esse é o retrata do basquete em nosso país. O trabalho de base não existe. Existe sim alguns abnegados que "teimam" em trabalhar, ensinar lapidar, etc. O trabalho das grandes equipes se resumi sim a caças essas escassas atletas pelo Brasil nos brasileiros de base, dar uma escola particular e uma ajuda de custo. Me explica uma cidade como Campinas não ter nenhuma equipe de base no basquete. Lá existe mais de um milhão de habitantes. Mas isso dá trabalho e "pegar pronto" é mais fácil...Muito boa reportagem, pena que essa mentalidade não vai mudar...
Temos que torcer por dias melhores.

Anônimo disse...


OBSERVADOR

Bert admiro seu carinho e até amor pelo basquete feminino,seu conhecimento da história e arquivos que talvez ninguém se compare com você nestes quesitos.Mas,sempre tem um mas,hoje o trabalho de base forte é feito em Americana,as grandes jogadoras da base em sua maioria ou são formadas ou foram contratadas,casos de Maria Carolina(ex Osasco)Tassia.S,José tem um bom trabalho de base que revelou Vitoria,Estela,que são utilizadas no Adulto,Ourinhos,formou em sua base Kananda,Lais e Leticia que por força das ausências foram utilizadas nestes jogos,foi cedo as compras e conseguiu juntar boas jogadoras recém saídas da base-Joice-Tainá-Patricia-Monica,Santo André tem tido ultimamente a manutenção de sua equipe adulta com muito sacrifícios,com isto compromete em parte a base,embora concorde que a Sassá deveria ter mais tempo de quadra,porém a Lais que considero competente e equilibrada deve ter seus motivos,que devem ser respeitados para esta utilização,e não concordo com uma critica pesada em relação a Lais.Quais jogadoras da base que efetivamente jogam ou jogaram em Americana,Débora?Leila?Fabi?só a Baby que era a titular,e agora será que com estas contratações a Leila,Ana Carolina,Maria Claudia e Izabela vão ter tempo de quadra?Agora Catanduva não pode entrar nestas comparações,time formado mais do que de última hora,e sem opções de mercado,deve ser elogiado a sua volta.Ou teria outras atletas no mercado?

Anônimo disse...

Primeiro que a Lais Helena já deveria ter se aposentado. Sem preconceito contra idosos, pessoas mais velhas.. mas chega uma hora que a própria pessoa percebe que não dá mais pra ela. A Arilza já deveria estar no comando dessa equipe há tempos, pra ver se algo melhora.

Felipe disse...

Que texto hein #bertinspirado

Para complementar a tragicomédia de Santo André vejam o que a treinadora declarou ao "Diário do Grande ABC" em 11 de maio sobre suas intenções para a temporada:

'Laís Elena comentou que promete dar espaço para as jogadoras reveladas no clube. “Agora vou aproveitar bastante a Sassá e a Bianca (pivôs) que vieram da categoria de base e estão indo muito bem nos treinos com o time adulto”, prometeu a treinadora, mantendo a tradição de Santo André sempre revelar grandes jogadoras para o basquete brasileiro.'


É para rir ou pra chorar?



Fonte: http://www.dgabc.com.br/Noticia/455446/basquete-feminino-de-sto-andre-e-modificado?referencia=relacionadas-detalhe-noticia

Anônimo disse...

Olha Bert...
Isso não acontece só em Santo Andre acompanho o São Jose desde o ano passado e vejo A Carolzinha e a Estela sentadas no banco sem nenhuma intenção do técnico coloca-las para jogar.
Ai fui ver as estatísticas da liga feminina e vi que elas em três temporadas de participação na liga não tem nem 20 segundos por jogo.
Sem entrar no mérito de qual menina é melhor eu fui pesquisar, e as duas foram campeãs pelo São José no sub 17 e sub 19 alem de participarem do mundial com a sassa.
Com todo este currículo o técnico do São José não da oportunidade para as mais novas isso por que são as duas que deram a São José os únicos titulo que temos na base.
È triste mas quem paga é ele técnico mesmo que com sua falta de maduridade e senso de justiça nunca vai ganhar nada no adulto.

Anônimo disse...

Estou muito decepcionada com a falta de compromisso desses técnicos ultrapassados, arcaicos e sem noção. E minha maior decepção está na equipe considerada bambambam em formação de jogadoras, Americana.Durante a copa América 4 jogadoras de Americana estava disputando esse campeonato, então meninas da base de Americana foram convocadas para substituir-las em 3 jogos do paulista, sejam só o que aconteceu:Ana Carolina tempo em quadra: 00:00, Maria Claudia 1:38min, Iza Sangalli 00:37 SEGUNDOS e Maria Carolina 13:14 min em 3 jogos. Esse técnico francês está fazendo a mesma coisa que o seu antecessor fazia, só que a questão agora é que o Zanon está pagando pela falta de compromisso que ele teve então como técnico de Americana. Estou muito triste com isso!

Anônimo disse...

A Sassa tem um grande potencial mas nãotem maturidade
As estatísticas do mundial sub 19 provam isso.Quanto ao
que ela vai aprender é o mesmo que a Marta,Vívian,Leila,
Chuça e Mama aprenderam.Lógico que levado em conta
O potencial de cada uma.

Anônimo disse...

http://mais.uol.com.br/view/41fifddbrlez/zanon-pretende-apostar-na-juventude-no-mundial-de-basquete-04024D18326CE4B14326?types=A&

Anônimo disse...

Com certeza a Lais queimou a Angela a Kaká e a Dominique, pois a tres jogaram em todas as seleções de base, e talvez outras meninas de outras gerações

Anônimo disse...

A Solução é a criação da Liga de desenvolvimento sub 21 pois se depender dos clubes tanto o A1 paulista quanto a LBF so terão mesmo as atletas de mais de 30 anos que não estarão nas olimpíadas. Só assim elas jogarão mais a exemplo do masculino, que por sinal anda mal das pernas....

Anônimo disse...

Sinto muito Bert mas Voce foi totalmente injusto nesse
seu comentário,para não dizer maldoso.
Maldoso porque essa situação acontece na grande
Maioria dos clubes e Voce pegou Santo Andre como
bode expiatório.Ficou bem claro que o seu foco e de
outra pessoas colaboradoras foi a Lais.Se ela esta velha
e na hora de parar,quem tem que decidir é ela.
O Hélio Rubens tem 73 anos e vai parar quando ele
achar que deve.A Janete no mundial,teve a melhor
preparação que uma equipe de base pode ter e fez o que?
É fácil por a culpa nos clubes.Voce sabe ou procurou
saber com que estrutura os técnicos trabalham.l
Um pouco mais de respeito com o basquete feminino de
Santo André nem é questão de ética e sim de educação

Anônimo disse...

A Laís tem muita história mais já ta na hora de se aposentar. Maturidade só se adquiri jogando! Ela deveria dar mais espaço para TODAS as jogadoras do sub19 (sassa, klaudinha e Bianca) antes que elas vão para um time que coloque elas para jogar ou até mesmo parem de jogar!!!
Não é necessário 40 minutos de jogo, mas pelo menos alguns míseros minutos por jogo para ganhar a tal "maturidade".
Anônimo das 10:25 acho que vc precisa olhar direito nas estatísticas do mundial onde a sassa foi um dos destaques, não só na seleção mais no campeonato em geral.
Bert até que em fim alguém teve coragem de falar isso!!!!

Anônimo disse...

Tem gente cega aqui este observador 02/10 8 : 49 Que partida ele colocou a Estela , a Vitoria entrou contra Catanduva por que a fabi estava na seleção e a plutim não tinha chegado e na cabeça dele a Vitoria é pivo pois ele não deve perceber que a menina de 1:82 mts é baixa mais era a unica opção dele no banco colocar as meninas no fogo quando ele não tem outra alternativa....
Nos regionais São josé foi com o que tinha e ai ele coloca as meninas no fogo.
Oportunidade para as meninas formadas aqui em São josé: tá de brincadeira.....
Basta ver que cada vez tem menas meninas treinando no sub 17 e sub 19.....

Anônimo disse...

Preciso te avisar Bert que estamos no Brasil e não na
França.Que as dificuldades dos clubes é muito grande.Que
Santo André nunca deixou de colaborar com as seleções
de base.Sassa na sub 19,Bianca na sub 17 e Raphaela
de 14 ano na sub 15.Os seus ou suas informantes tem
que trabalhar com a verdade e consultando sempre as
estatísticas para não falarem bobagens e serem injustos.

Anônimo disse...

Preciso te avisar Bert que estamos no Brasil e não na
França.Que as dificuldades dos clubes é muito grande.Que
Santo André nunca deixou de colaborar com as seleções
de base.Sassa na sub 19,Bianca na sub 17 e Raphaela
de 14 ano na sub 15.Os seus ou suas informantes tem
que trabalhar com a verdade e consultando sempre as
estatísticas para não falarem bobagens e serem injustos.

Anônimo disse...

Não entendi o texto do Bert. Será que foi escrito a 04 mãos... ....Desrespeitoso e misturando Janete com Santo André. Até Ramona(são José) 12:11minutos esteve menos tempo em quadra que a Sassá, Maria Carolina (Americana) 13:14 minutos,Sangalli 37 segundos(Americana), Ana Carolina zero(Americana),Maria Claudia 1:38min (Americana)
Sassá 12:31 minutos .
Seu texto Bert foi muito tendencioso.

Anônimo disse...

BERT, NA GERAÇÃO DE 90 VOCÊ ESQUECEU DA REVELAÇÃO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 94 QUANDO O BRASIL FOI CAMPEÃO DO
MUNDO . LEILA SOBRAL QUE JÁ INTEGRAVA E JOGAVA ,COINCIDENTEMENTE,
EM SANTO ANDRÉ COM A LAIS E NO ADULTO.ELA AINDA ESTAVA COM 19 ANOS.

Anônimo disse...

meu amigo vem pra ourinhos, aqui estamos jogando por enquanto com sub 17,aqui sim valorizamos essa meninada,perdemos 2 jogos mais por apenas 2 pontinhos

Anônimo disse...

FELIPE ACHO BOM VOCÊ RIR, POR QUE A
SASSÁ JÁ ESTÁ REVELADA PARA O BASQUETE MUNDIAL E, FOI REVELADA E FORMADA EM SANTO ANDRÉ.

Anônimo disse...

O Santo André deixou de ser uma equipe de revelações a muito tempo. Realmente é uma pena. Mas, qual técnico de equipe não esta preocupado em vencer, em qualquer modalidade esportiva isso é regra. Vejam no futebol, a equipe não vai bem a culpa é do técnico. Perde o emprego na hora. Agora não aproveitar atletas na categoria inferior na principal é burrice, e das grandes.No santo André não é só a Sasa, ela é só uma dentre as cinco da sub 19, vejam os jogos e analisem. A Bianca só está no inicio, minguem pode afirmar se vai ou não vai no basquete. A klaudia é outra, que também deveria ser aproveitada. E assim como Caca, Luana e outras, vai acontecer a mesma coisa, essas jogadoras vão para outras equipes e o Santo André fica com as trintonas. Nenhum técnico põem em quadra atletas do sub 19 por medo de perder o jogo e o EMPREGO. Na seleção masculina o técnico argentino responsabilizou os atletas, é brincadeira ! Acorda o CBB, vamos incentivar nossos atletas e respeitá-los principalmente. O basquete precisa de técnicos e não de empresários.

Anônimo disse...

Concordo com todos que opinaram, e por isto mesmo, acredito que o Ourinhos Basquete está se tornando referência não apenas em revelar jovens talentos, coisa que Americana também faz, embora com muito mais estrutura para isto, mas principalmente dar oportunidade aos talentos revelados na base, como Kananda, Laís Cristina e Letícia, vindas do sub-17 e que hoje integram com destaque o time adulto, inclusive comandando a equipe na vitória contra o Rio Claro, além de fazerem parte das seleções sub-17 (Kananda) e sub-19 (Letícia). Além disto, apostou em um técnico jovem e que tem como grande experiência, as equipes e seleções de base (Cristiano Cedra) que trouxe as revelações da última LBF, Patty,Taíná e Joice Coelho, todas convocadas pelo técnico da seleção adulta Zanon para a Copa América, cujo assistente técnico é o próprio Cedra. Ou seja, Ourinhos disputará o Campeonato Paulista com um grupo formado basicamente com meninas entre 17 e 22 anos, com exceção das experientes Chuca, Ana Flávia e Fernanda Bibiano, cuja mescla tem tudo para dar certo. Ourinhos pode até não ser campeão, mas com certeza já se tornou referência da renovação do basquete feminino brasileiro, algo tão alardeado aos quatro cantos, mas que na prática, conta apenas com poucas e honrosas exceções.

Bert disse...

Obrigado a todos pelas manifestações.

Realmente o que acontece em Santo André se repete em todos os clubes.

O post foi especificamente sobre Santo André porque realmente acho a situação particularmente assustadora. Os critérios técnicos na montagem da equipe são bastante questionáveis.

A situação de Americana é realmente semelhante como alguns lembram. Eu também não concordo com a política de lá. Outros posts já foram feitos especificamente sobre Americana e ninguém veio me perguntar neles porque eu não citei Santo André.

De qualquer maneira foi uma equipe que forneceu espaço para alguns novos valores, como Débora e Tássia (que antes da contusão vinha jogando mais com Zanon) e mesmo Babi, que foi bancada por longos anos.

Anônimo disse...

Alguns aqui com certeza leram o post da Fábio Balassiano com o tema:"Sobre Érika, WNBA, bassquete feminino e preconceito" e leram inclusive os comentários, e muitas dessas pessoas que comentaram o post disseram que estão perdendo o interesse em assistir o basquete feminino brasileiro pela falta de qualidade técnica. Agora por que não tentar mudar essa lástima de jogos que tem mais tornouver do que bolas nas cestas? As novas, se elas não entrarem, vamos continuar no fundo do poço.

Anônimo disse...

O problema maior é que criam expectativas para essas meninas e depois as encostam no banco sem nem dar chance delas adquirirem experiência e aí muitas acabam frutradas e desistem do basquete, mesmo amando este esporte, achando que não são competentes. e isso pode comprometer até a vida pessoal destas meninas eu li o relato de um pai que disse que sua filha teve que fazer tratamento psicologico, pois sua auto estima foi lá embaixo.

Anônimo disse...

Muito blá,blá, por que quem tem talento joga em qualquer time. oque falta é trabalho na base, trabalho nas escolas.Vejam Sub 13 ,9 equipes(algumas com índice técnico sofrível) sub 14 6 equipes,sub 15, 9,sub17 10 e sub 19, 6 equipes no campeonato paulista. Querem oque para renovação. Osasco que busca jogadora no Brasil todo,nem disputa adulto. Coitada da Alana que nem treina com adulto para aprender mais;.Só gostaria de saber oque tem de construtivo no post do Bert que desrespeitou Santo André e todo o elenco.

Anônimo disse...

Lembrando: Estela e Ramona jogam em S.José...não está em Americana e nem em S. André.

Anônimo disse...

Ah ah, em Ourinhos o joãozinho faz projetos para a base e deve estar ganhando uma nota preta para isso. Ourinhos, modelo a ser seguido...
Onde está o seu Chico?

Anônimo disse...

Fim de jogo em Ourinhos.
Santo André 62 e Ourinhos 57. Vitória da experiencia e das guerreiras de santo andré. Respeito é bom e nós gostamos.
A Joice jogou?

Anônimo disse...

nossa, pela primeira vez não sei nem o que comentar....

Anônimo disse...

ANONIMO
RSRSRSR,o Técnico velho-Lais ganhou do novo Cris-ganhou algum titulo até hoje!!!As velhas ganharam da renovação-Rsrsrsrs.FOI MAL DESTA VEZ,BERT!!!!HAHAHAHA!!!SAUDAÇÕES EXPERIENTES!!!!

Anônimo disse...

E os outros times do campeonato paulista, como estão?
Tem tabela dos jogos?

Anônimo disse...


ANONIMO
COMENTARIO PARCIAL,PRECONCEITUOSO,INCOERENTE.O CASTIGO VEIO RÁPIDO........OURINHOS(DAS REVELAÇÕES E DO TÉCNICO JOVEM)57X SANTO ANDRÉ(AQUELE DA TÉCNICA VELHA E DAS JOGADORAS VELHAS)62!!
SEM MAIORES COMENTÁRIOS!!!

Anônimo disse...

Bert, acho que a Laís leu o te post, ontem no jogo Ourinhos e Santo Adré a Sassá jogou 24:51min e marcou 12 pontos e com EF de 14. Deu certo a pressão sobre a Laís.

Anônimo disse...

Bert uma coisa é certa quanto ao desrespeito as atletas juvenis que compõem o banco do adulto, são PHD em servir gatorade e abanar as colegas, isso tudo a mando da própria técnica que proíbe as adultas de carregar Gatorade. Jogar que é bom só quando acontece o que aconteceu aí a juvenil Sassa jogou, e diga-se que foi uma das melhores em quadra. O CBB vamos tomar providências só não vê quem não quer !!!! Esse é o basquete feminino brasileiro. Vamos demunciar !!!!!!

Anônimo disse...

Sou atleta da Lais,conheço bem o seu caráter e posso
afirmar que com ela pressão não funciona.A Sassa jogou
muito bem e por esse motivo ficou mais tempo.Tem tudo
para ser grande jogadora inclusive o carinho e força de
todo o grupo.Para nós é prioridade vê-lá chegar no ponto mais alto da sua carreira que será brilhante..

Anônimo disse...

Acho q aqui não se trata de defender equipe A ou B. Realmente o jovem Ourinhos perdeu para o experiente Santo André, o que não quer dizer q é melhor ter um time experiente, mas sim armar um time não para um campeonato ou uma temporada, mas para o futuro do time e do basquete feminino. Assim como se Ourinhos tivesse vencido, não teria sentido em dizer que a juventude é q vale, e as experientes estão ultrapassadas. Em meu post não ataquei Santo André, nem Laís, inclusive citei a contradição de Americana, que sempre revela jogadoras na base, mas que raramente dá oportunidade para jogarem, pois é preciso manter o time com estrelas e que ganhe todas as competições. O que critique foi a falta de oportunidade das mais jovens no time de cima e não para conquistar títulos mas para se formarem grandes jogadoras no futuro. Realmente poder ser que Ourinhos não seja campeão, ou até mesmo bem chegue a final. No entanto, podem ter certeza que será uma equipe que no máximo em dois anos estará disputando título de igual pra igual com qq equipe, mesmo Americana. ~Montar um time com data de validade determinada para ser campeão e no ano seguinte ter que trocar todas as jogadoras, não formará uma equipe vencedora no basquete, nem revelará novas jogadoras para o basquete feminino nos próximos anos, que é justamente o que vivemos hj. Na seleção adulta, Zanon apostou na renovação e justamente por isto perdeu a Copa América, pq o q importa neste momento não é resultado imediato, mas sim formar a base de uma seleção brasileira que possa disputar as Olimpíadas daqui há 3 anos, em condições de representar nosso país com dignidade, mesmo que não seja campeão, e além disto, que sai dali uma geração vencedora e que contribua para elevar o nível técnico do basquete feminino brasileiro. No entanto, sempre enfrentará críticas dos imediatistas que preferiam vencer a Copa América hj, com uma base do Sport, cujas jogadoras em sua maioria, com certeza não estarão nas Olimpíadas. Portanto, o que se discute é a visão imediatista de todas as equipes e não acho que a questão seja se Laís está superada ou não, o que não considero, mas sim discutir a mentalidade dos dirigentes do basquete, que esta sim define os rumos e as contratações de suas equipes. Parabéns ao Santo André por ter vencido, afinal de contas, como já disse, este espaço é pra defender o basquete feminino e não time A ou B.

Menino Biônico disse...

Pessoal, o Bert é livre para postar o que ele pensa, assim como ele dá espaço para vocês postarem esses comentários que eu também julgo toscos.
É uma observação que ele fez.
Laís está sim com mais de 70 anos, demonstra cansaço e impaciência.
Muitas das jogadoras de Santo André e Catanduva já estão com mais de 30 anos. Algumas em boas condições físicas, outras lentas e pesadas.
Janeth e Santo André, tudo a ver! Pois a Janteh jogou mais de 10 anos em Santo André.
Quem começou acompanhar e observar o basquete feminino agora devia se informar melhor antes de cometer esses air balls nos comentários.
Respeito a posição do Bert,admiro a paciência que ele tem mantendo este blog desde 2001, e a chance que ele dá a vocês de comentarem no espaço que ele mantém.

Anônimo disse...

Quer dizer que a Lais não pode ser criticada? Entendi... Ela só pode criticar, como ela fez com o Bassul quando ele comandou a seleção brasileira na liga nacional..

Pimenta nos olhos dos outros é refresco!

Coitada da Alana que foi pra Oasco ao inves de ficar em SBC e ter a disposição nutricionista, psicóloga, plano de saúde, jogar A2, alimentação balanceada... Com certeza era melhor ela ter ido pra Santo André e carregar água e bola que ia aprender muito!

O time de Ourinhos ainda vai surpreender, não sei se vcs sabem, mas o Cristiano chegou agora da seleção e um jogo não é parâmetro pra nada.

Anônimo disse...

Anônimo das 12:29.Ouvi dizer que a comissão técnica vai
obrigar as juvenis levarem ventilador quando o verão
chegar kkkkkkkkkkkkkkkkk.

Anônimo disse...

A PRAGA DO SITE DA FPB NÃO FUNCIONA

Anônimo disse...

Atleta da Lais vai criticar ela como? Deixa as trintonas em quadra mesmo que só estejam fazendo coisas erradas, vc com certeza eh uma dessas. Quando começar a perder lugar pra Sassa vamos ver se terá a mesma opinião.

Anônimo disse...

Sete jogadoras de Ourinhos que estavam na seleção brasileira + o treinador estrearam no Campeonato Paulista, com pouco tempo de treinamento devido a Copa América que acabou no sábado passado. Normal essa derrota, tenho certeza que Ourinhos vai crescer na temporada e tem tudo para ser finalista já no Campeonato Paulista. Já Santo André se não renovar vai entrar em decadência. É algo natural. Todo time que não mescla experiência e juventude perde o fôlego e morre na praia. É preciso dar continuidade ao trabalho de formação feita na base, introduzindo no time adulto as atletas vindas da categoria juvenil. Quem tem essa visão preguiçosa de jogar apenas com jogadoras prontas visando apenas o resultado imediato não tem futuro.

Anônimo disse...

Alana fica tranquila que terás mais 3 meses de assitencia medica e todas as mordomias que osasco pode oferecer e ano que vem vai para ourinhos jogar com o Cris .Agora ele pode ajudar porque em são caetano não dá mais porque também disputa A2, a divisão dos tecnicos que tentam aparecer.
Vamos ver se lá a Monica consegue jogar... Quanto a resultado é obrigação Ourinhos conseguir porque tem 4 jogadoras da seleção brasileira e mais o Cris.

Anônimo disse...

ANONIMO

POR FAVOR PARA NÃO SER INJUSTO!!!
ME ESCLAREÇAM O QUE O CRIS GANHOU ATÉ HOJE????POR QUE TANTA EXPECTATIVA NO CRIS?QUAIS TITULOS CONQUISTOU???

Anônimo disse...

O CRIS GANHOU POR OSASCO, UM SUB 16 E PELA SELEÇÃO UM SUL AMERICANO SUB 15. BRAVO BRAVO..............

Anônimo disse...

Aff, ganhar sul americano sub 15 é obrigação. Essas são as conquistas do Cedra...Bem está com o Zanon para aprender!

Anônimo disse...

Quantos campeonatos ele disputou?