segunda-feira, 15 de abril de 2013

Ex-técnico da Seleção feminina de basquete quer base como trunfo

Émile Patrício

Assistente técnico da seleção brasileira feminina de basquete nas Olimpíadas de Sydney, em 2000, e Atenas, em 2004, Paulo Bassul assumiu o cargo de técnico em 2007 e comandou o time em Pequim-2008. Hoje gerente técnico da Liga Nacional de Basquete (LNB), ele diz que a modalidade viveu bom momento simplesmente porque conseguiu reunir talentos. “Na verdade, nunca tivemos uma organização”, afirma. O investimento na base, para ele, é o caminho para mudar o atual cenário de decadência, no futuro.

Pela sua experiência, a falta de equipes femininas de basquete é um problema exclusivo de Minas Gerais ou isso se estende pelo Brasil?
O basquete feminino é um universo muito reduzido no Brasil. A gente tem um problema muito grande de quantidade de equipes. A modalidade viveu de bons resultados há alguns anos – além da medalha de prata em Atlanta-1996, maior feito olímpico alcançado pelas meninas, foi campeã mundial em 1994 e bronze em Sydney-2000 –, e eu tive o privilégio de participar dessa fase. Foi uma geração muito forte, mas que não foi fruto de organização e, sim, de talentos. Sorte, pode-se dizer, quando houve a reunião de talentos.

Como recuperar esses bons momentos?
Isso proporcionou uma série de resultados internacionais, mas, na verdade, nós nunca conseguimos uma organização no basquete feminino que promovesse os resultados. O que é o ideal, porque teríamos uma coisa mais permanente e duradoura. A gente precisa voltar a discutir a modalidade. Esse é o caminho. Com algumas iniciativas boas de dois ou três estados, o efeito será enorme. Se a coisa for feita de uma forma organizada, a tendência é um efeito reverberador em um curto espaço de tempo.

O diagnóstico do basquete feminino é a falta de estrutura e condições de desenvolver a modalidade na base?
É, sim, na base, na quantidade de praticantes. No masculino, a gente está conseguindo, com o advento do Novo Basquete Brasil (NBB) e da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB), ver categorias de base no Brasil inteiro. Temos 29 equipes querendo participar da LDB. E já temos mais dois times do Nordeste (Bahia e Pernambuco) querendo estar no campeonato. Está crescendo muito rápido no masculino, e o feminino carece de massificação e trabalho na base que não tem.

O que seria?
Precisa de uma maior distribuição de equipes. Ele é muito centrado no Estado de São Paulo e sempre foi. Diferentemente do masculino que, agora, está presente em vários estados do Brasil.

Qual é a alternativa?
O caminho é o trabalho de base. Assim cria-se um volume de jogadoras que pressiona no sentido de criação de equipes. Milhares de crianças jogando campeonatos pré-mirim e mirim vão querer continuar. É uma pressão saudável por formação de equipe. Aí o clube faz, a escola faz, a escola participa do campeonato da Federação e por aí em diante. Há mil formas de fazer isso no Brasil. Só que nunca é feito. Tem que haver uma seleção de Novas para ir ganhando rodagem internacional.

Que balanço o senhor faz da seleção brasileira feminina em Londres-2012?
A seleção feminina hoje está sendo penalizada por ter vivido uma ilusão. Tivemos uma geração fantástica, que surgiu por geração espontânea. Isso foi algo maravilhoso pra gente, em termos de resultado e posicionamento no ranking mundial, mas mascarou uma situação verdadeira, que era a falta de investimento, de clubes formadores, de uma proposta mais séria, sólida e permanente. A atual seleção sofre isso e não teve renovação.

Como o senhor prevê a atuação da seleção feminina nas Olimpíadas do Rio, em 2016?
Sofrendo com a falta de transição de atletas. Temos a Adrianinha, que é uma armadora de 35 anos e que vamos precisar dela ainda em 2016, porque não tem quem a substitua à altura. Tem uma ou duas armadoras chegando, mas que não têm experiência e gabarito para jogar uma Olimpíada. É um grupo que vai ter que ter um trabalho bacana. Eu torço muito que dê certo. Acho que o Luiz Augusto Zanon (treinador) está fazendo um bom trabalho, apesar de ele ainda não ter vivência internacional como técnico.

Quais são as suas expectativas quanto à classificação final nos Jogos brasileiros?
Nas Olimpíadas, são duas chaves de seis equipes e se classificam quatro de cada grupo. Acho que o Brasil tem todas as possibilidades para passar pelas quartas de final e não o vejo fora, ainda mais jogando em casa, fator que pesa muito nessas competições. Mas vai ter muita dificuldade para avançar além disso. A posição que a seleção brasileira alcançar vai depender muito do investimento que for feito nesses próximos três anos.

Ainda dá tempo de melhorar esse cenário?
Eu confesso que está muito próximo das Olimpíadas para se pensar em uma mudança radical. Conseguiremos melhorar muita coisa até 2016, mas não são três anos que fazem uma seleção ganhar uma medalha olímpica. Isso é um trabalho de oito, dez. Mas acho que ainda temos uma geração capaz de terminar entre os quatro melhores.

Fonte: Hoje em Dia

6 comentários:

Anônimo disse...

SOU DE BRASILIA E CONHEÇO O TRABALHO DE PAULO BASSUL HÁ MUITOS ANOS, MUITO COMPETENTE E TAMBÉM CONHECEDOR PROFUNDO DO BASQUETE FEMININO. REALMENTE SEM INVESTIR NA BASE NÃO ADIANTA NADA SONHAR COM FUTURAS OLIMPÍADAS. AQUI EM BRASÍLIA EXISTE O CLUBE UNIDADE DE VIZINHANÇA. . . TRADICIONAL POR FORMAR MENINOS e MENINAS. SÓ PARA VOCES TEREM UMA IDÉIAS LÁ FORAM FORMADOS ATLETAS DO QUILATE DE OSCAR, PIPOCA, ARTHUR, KARLA COSTAENTRE OUTROS. BASSUL CONHECE BEM ESSE CLUBE e que estgiver hoje em brasília vai poder ver um trabalho de excelencia que está sendo desenvolvidos com inúmeras crianças e adolecentes sob o comando da PROFESSORA RENATA RIBEIRO. nao custa nada olhar de perto esse trabalho, voces não vão se arrepender.

MARCOS disse...

ACHO QUE É MUITO PESSIMISMO ASSOCIADO A INCOMPETENCIA. AS OUTRAS SELEÇÕES NÃO ESTÃO EM UM NIVEL TÃO ELEVADO ASSIM, EXCETO EUA E AUSTRÁLIA, FRANÇA. O PROBLEMA É QUE NÃO TEMOS SISTEMA DE JOGO E BANCO. VIVEMOS DE SORTE DEVIDO AO MAU TREINAMENTO - NÃO PELA FALTA DE JOGADORAS BOAS, POIS TEMOS OITO OU DEZ QUE TÊM UM BOM NÍVEL, MAS NÃO CONSEGUEM FAZER UMA SERIE DE AMISTOSOS DE QUALIDADE ANTES DAS COMPETIÇÕES E NEM TREINAR UM SISTEMA ADEQUADO DE JOGO, RESULTANDO EM DEUS NOS ACUDA DURANTE AS PARTIDAS, AINDA MAIS COM OS TÉCNICOS QUE TEM PASSADO POR LÁ ULTIMAMENTE, TOTALMENTE SEM IDENTIDADE COM A SELEÇÃO. VEJA A DIFERENÇA DO CANADÁ E FRANÇA, POR EXEMPLO. A TÉCNICA É A CARA DO TIME E AS JOGADORAS JOGAM JUNTAS E NUM PADRÃO ASCENDENTE AO LONGO DOS ÚLTIMOS ANOS...

Anônimo disse...

O basquete feminino do Brasil espelha a realidade do pais... Nao adianta querer equipes de primero mundonse o pais é subdesenvolvido, tem um Estado ineficiente, corrupto... Isso é uma utopia... Caiam na real...

Anônimo disse...

http://legado.cbb.com.br/images/NotasOficiais2/20130416_271924_NO80-2013.pdf

MARCOS disse...

SE COMPARARMOS CADA SELEÇÃO COM O RESPECTIVO TIME EM 2000 - SYDNEY, POR EXEMPLO: OS ESTADOS UNIDOS ESTÃO NO MESMO NÍVEL(IMBATÍVEL), A AUSTRÁLIA PIOROU(PELO AUMENTO DA IDADE DAS JOGADORAS PRINCIPAIS), A RÚSSIA ESTÁ IGUAL OU INFERIOR (PRATICAMENTE COM AS MESMAS JOGADORAS- COM BASE EM STEPANOVA E NA ARMADORA AMERICANA NATURALIZADA).A´REPÚBLICA TCHECA PIOROU (COM A PERDA DE RENDIMENTO DA ARMADORA HORAKOVA, JÁ COM IDADE ELEVADA). A ESPANHA OSCILA TANTO QUE NEM SE CLASSIFICOU. A FRANÇA MELHOROU. A CORÉIA PIOROU. NOSSAS JOGADORAS DE HOJE NÃO SAO PIORES QUE AQUELAS (EXCETO NAS ALAS), MAS IZIANE NÃO FOI A LONDRES... ÉRIKA NÃO RECEBEU BOLAS SUFICIENTES NA MAIORIA DOS JOGOS... DAMIRIS VIROU ALA PORQUE O TÉCNICO QUERIA (...) ADRIANINHA QUASE NÃO DEU ASSISTENCIAS - EXCETO NO ÚLTIMO JOGO. KARLA FOI BEM ABAIXO DO QUE NORMALMENTE PRODUZ. PARECE QUE O TÉCNICO NÃO CONSEGUE DEIXÁ-LAS JOGAR SEU MELHOR. TODAS RENDEM MENOS QUE O HABITUAL- ATÉ CONTRA O CANADÁ, PASMEM! AÍ JUSTIFICAM DIZENDO QUE A SAFRA É RUIM. TODOS ESTÃO PASSANDO POR ISSO. MAS AS OUTRAS SELEÇÕES TREINAM MESES, FAZEM AMISTOSOS DE QUALIDADE E TÊM UM SISTEMA DE JOGO QUE FAZ CADA UM RENDER SEU MÁXIMO!

Anônimo disse...


O BASSUL JÁ ESTÁ ARRUMANDO UMA DESCULPA PORQUE SABE QUE O ZANON NÃO VAI GANHAR NAS OLIMPIADAS E VAI NOS DECEPCIONAR.